Nova OSS para chefiar Francisca Mendes reprisa erros na saúde, diz Serafim

A busca por uma nova OSS (Organização Social de Saúde) para assumir a gestão do HUFM (Hospital Universitário Francisca Mendes) reprisa erros do governo do Amazonas visto em gestões anteriores e que resultaram em operações da Polícia Federal.

A avaliação foi feita pelo deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) durante discurso na sessão virtual da ALE-AM na manhã desta terça-feira, 2.

“Nós não podemos ser crianças nessa história. Essas entidades têm interesse no lucro. Pode pegar qualquer estado onde tem OSS, inclusive aqui no Amazonas, onde tivemos a operação Maus Caminhos, que revelou isso. Eu espero que o governador tenha sensibilidade e sensatez e não vá atrás da conversa da secretária da Susam (Simone Papaiz), que quando tudo isso passar, ela volta para a cidade dela e o governador Wilson vai ter que ficar aqui e responder para o MPF, TCE, ou seja, a vida dele vai virar um inferno”, disse Serafim.

Atualmente, o Estado realiza cogestão do HUFM com a Unisol (Fundação de Apoio Institucional Rio Solimões (Unisol) e o contrato será encerrado dentro de dois dias – em 4 de junho. No dia 30 de maio, a titular da Susam, Simone Papaiz, anunciou que a secretaria irá assumir a gestão plena da unidade por 90 dias, prazo prorrogável por mais 90, enquanto busca uma nova OSS para administrar o hospital.

“Todo mundo sabe que a OSS que já estava pronta para entrar no Francisca Mendes era a Iabas, mas acontece que houve um problema no Rio de Janeiro, que às 6h da manhã a Polícia Federal estava na porta do governador Wilson Witzel e o resultado disso foi que virou escândalo nacional. Aí o governo do Amazonas foi e recuou da Iabas e agora deve estar vendo uma outra OSS”, destacou Serafim.