As manchetes deste sábado, 25 de abril

O Globo: Gasto com passagens nos três poderes sobe até 56%

No primeiro trimestre deste ano, despesas com viagem atingem R$ 79 milhões

Em plena crise, os gastos com passagens aéreas e despesas de viagem dispararam nos três poderes no primeiro trimestre deste ano, em relação ao mesmo período de 2008. Segundo levantamento feito com dados oficiais, o maior aumento aconteceu no Legislativo (56%), seguido de Executivo (42%) e Judiciário (37%). No total, foram gastos R$ 79,6 milhões. Os três ministérios com menores verbas orçamentárias – Meio Ambiente, Esporte e Cultura – foram os que mais aumentaram as despesas com viagens. (págs. 1 e 3)

Folha de S. Paulo: Desemprego é maior entre jovens e mais escolarizados

Número de desocupados aumenta pelo 3º mês seguido, segundo o IBGE

O desemprego aumentou nas seis principais regiões metropolitanas do país pelo terceiro mês seguido e chegou a 9% em março, segundo o IBGE. Os maiores prejudicados foram os jovens e os mais escolarizados. Em Porto Alegre, São Paulo, Rio, BH, Salvador e Recife, o número de desempregados superou os 2 milhões pela primeira vez desde setembro de 2007. O IBGE atribui o aumento à falta de abertura de novas vagas. Para analistas, a alta contaria a tendência dos últimos cinco anos, de estabilidade ou queda no mês. Com o mercado desaquecido, os jovens ficaram em desvantagem por falta de qualificação e experiência. Já os trabalhadores com mais escolaridades podem ter sido prejudicados por terem salários mais elevados, de acordo com especialistas. O rendimento médio real, de R$ 1.321,40, cresceu 5% ante março de 2008. (págs. 1 e B1)

O Estado de S. Paulo: Senadores e familiares têm seguro-saúde vitalício

Basta ocupar cadeira por seis meses para parlamentar obter privilégio

Os 310 ex-senadores e seus familiares e pensionistas custam ao menos R$ 9 milhões por ano aos cofres públicos, cerca de R$ 32 mil por parlamentar aposentado. Para ter o direito, vitalício, basta que o senador tenha ocupado o cargo por apenas seis meses, até 1995, era somente um dia. No total, os 81 senadores da ativa e os 310 ex-senadores usufruem de um sistema de saúde que consome cerca de R$ 17 milhões por ano. Os parlamentares da ativa e seus familiares não têm limite de gastos com saúde – em 2008, suas despesas médias somaram R$ 80 mil por senador, sem desconto em folha de pagamento. Para este ano, a previsão feita no Orçamento estabeleceu R$ 61 milhões para a saúde dos funcionários do Senado. Como haverá corte de R$ 25 milhões, e as despesas dos senadores continuarão ilimitadas, a área técnica da Casa acredita que quem pagará a conta serão os demais servidores. (págs. 1 e A4)

Jornal do Brasil: Desemprego atinge salários mais altos

Taxa avança para 9%, o maior índice desde setembro de 2007

O desemprego nas seis principais regiões metropolitanas do Brasil, calculado pelo IBGE, subiu para 9% em março. Os mais afetados foram os trabalhadores com maior renda e escolaridade. Eles foram prejudicados pelo mau desempenho do mercado de trabalho e, em particular, da indústria. Essa é a terceira alta consecutiva do número de desempregados no país: 2,1 milhões de pessoas desocupadas nas regiões pesquisadas. Em Washington, o FMI divulgou previsão segundo a qual a América Latina está perto da recuperação econômica. (pág. 1, Economia e pág. A20)

Correio Braziliense: Planos de saúde sobem mais do que a inflação

A inflação que corroeu o salário dos brasileiros nos últimos 12 meses chegou a 5,6%. A renda média do trabalhador cresceu 4,9% nesse mesmo período. Pois as operadoras de saúde complementar deixarão no chinelo tanto uma como a outra: elas foram autorizadas pelo governo a elevar suas mensalidades em 6,7% a partir de 1º de maio. A alta será aplicada na data de aniversário de cada contrato e incide apenas sobre os chamados planos novos, iniciados depois de 1999. Segundo explicações da autarquia responsável, o reajuste abarca 6,5 milhões de pessoas e veio alto para compensar a inclusão de procedimentos como vasectomia, laqueadura, exames de genética e atendimento nas especialidades de fonoaudiologia, nutrição e terapia ocupacional na cobertura assistencial mínima. (págs. 1 e 24)

One comment

  1. Caro Serafim Correa é com mta alegria que encontro este teu blog. Nunca sentamos na mesma mesa ou até mesmo proseamos algumas palavras, nunca vc soube sobre minha vida e meus problemas nem mto menos eu soube das suas dificuldas, apenas dava para imaginar, pois administrar uma cidade como Manaus não é para qualquer pessoa. Mas quero externar minha gratidão por tudo que vc fez pelo meu grande amor que é minha cidade querida Manaus e por tudo que fizeste pelo nosso povo. Quero te dizer que em todas tuas candidaturas vc sempre me convenceu mostrando que era a melhor opção e graças ao Senhor Nosso Deus eu não errei. Desde o ano de 1996, quando eu era um garoto de apenas 16 anos e vc foi até meu colégio acompanhado do meu professor de Filosofia Lázaro Ramos, acreditei em você e até hoje acredito. É lamentável ver minha terra querida nas mãos de quem estar agora. Um homem acima das leis, é isso meu amigo. Acredito que ele já não existe justiça que o faça pagar por todas as coisas erradas que o Sr. Amazonino já fez e que ainda vai fazer. Apenas a justiça Divina sei que um dia triunfará. Além de escrever no teu blog para externar toda minha admiração e carinho que tenho por vc, mesmo nunca tendo se quer lhe dado um abraço cordial, quer te pedir na verdade te suplicar, não desista, por favor te imploro volte para a Política, volte a tentar fazer uma Manaus melhor ou até mesmo fazer meu Estado do Amazonas estado de bravos que doam sem orgulho nem falsa nobreza como diz nosso lindo hino a ser um gigante não apenas no tamanho mas na nossa Gente.
    Sei que mesmo fora da prefeitura és um homem atarefado, mas quem for o responsável de ler este blog peço que este me comentário chegue às mãos do meu grande amigo Serafim Correa.

    Que o Senhor Deus te abençoe e te guie, que Ele esteja a tua frente para te guiar, ao teu lado para te acompanhar, atrás de vc para te vigiar.
    Abraços

    Cordialmente,

    Carlos Eduardo

Comments are closed.