Uma carta de amor à democracia, por Mario Rosa

Uma carta de amor à democracia, por Mario Rosa

Por Maria Rosa – Poder 360

A BELEZA DA REPUBLICA ESTÁ NO PRAZER DE POSSUIR ESSA OBRA HUMANA ETERNA INTERMINÁVEL

Ela já foi de muitos antes de mim. Cineastas passaram por ela. Músicos a possuíram. Ela já teve jornalistas, médicos. Muitos e muitos derramaram uma gota de seu gênio ou de seu encanto, de sua raiva ou de seu fascínio, de seus sonhos ou de suas frustrações sobre o seu leito. Porque ela não passa por nós. Nós é que passamos por ela.

Foi assim comigo. Será assim sempre com todos. E quando há esse encontro, todo esse legado de tudo que antes se passou se projeta e nos perguntamos: para onde seguir? Porque todos nós nos sentimos donos dela. E, ela, nos causa essa miragem, essa doce ilusão: ela é de todos e na relação com todos ela é de cada um. Está sempre tão intensamente entregue que parece ser o centro do universo.

Quem tentou lhe dar uma forma humana, a viu como uma mulher exuberante, jovem. E mulheres assim são impulsivas e atraentes. Provocam revoluções, disputas, tumultos. Guerras são declaradas em nome de seu domínio. Vale tudo por ela. Tratados são rompidos, pactos são quebrados, alianças desfeitas, invasões perpetradas. Tudo para possuí-la. Doce quimera. Pois ela se entrega, mas não pertence a ninguém.

Por que ela está tão onipresente em nossas vidas e parece ser tão decisiva? Será uma alucinação nossa ou um encanto verdadeiro que ela nos inspira? A coisa pública tem pudores. Ela nos diz: tem certas coisas que você não pode fazer comigo. É pudica e refreia nossos desvarios mais sórdidos e vulgares. Mas se é minha por que não faço o que quero? Porque nunca haverá ninguém com relevância total na vida dela. Ao menos por todo o tempo. Porque ela fica e todos passam.

Então, o que cabe a nós? Cabe a nós usufruir ao máximo a nossa etapa. Fazer os ajustes que ela precisa, deixá-la melhor para os que virão e sorver cada segundo e gota da História que se desenrola em nossa frente. Porque se a relevância total é transitória, só há uma forma de deixarmos nossa marca na eternidade: sermos de alguma maneira relevantes no curso dela. Dai seremos lembrados, um dia, por aqueles que vierem depois e a possuírem: sim, aquele foi um fato histórico, que derrubou um regime ou –privilégio dos privilégios– provocou uma revolução.

(Nesses tempos de tanta desesperança e má vontade com a coisa pública, não há melhor forma de exaltar sua importância do que escrever sobre ela com o romantismo que poderia existir numa declaração de amor a uma linda mulher, a representação iconográfica clássica desse sistema. Mas como vivemos também tempos de diversidade de gênero, o que menos importa é a sexualidade do remetente ou do destinatário. O que importa é a jura de amor: democracia, eu te amo!)