Obras de Linhão de Tucuruí devem começar em 30 de junho

Obras de Linhão de Tucuruí devem começar em 30 de junho

BOA NOTÍCIA PARA RORAIMA, MAS….

O governo decidiu enquadrar o linhão de transmissão Manaus-Boa Vista, para abastecimento de energia elétrica em Roraima, como 1 empreendimento de interesse da política de defesa nacional.

O porta voz da Presidência da República, general Otávio Rêgo de Barros, disse que, com isso, as obras do linhão devem ter início em 30 de junho. A linha de transmissão forneceria energia ao Estado de Roraima e ligaria Boa Vista (RR) a Manaus (AM). A obra tem previsão de duração de cerca de 3 anos.

Receba a newsletter do Poder360

[A declaração de interesse nacional] significa que o processo de construção será acelerado, que os aspectos relativos às questões ambientais serão considerados, mas estarão num bojo maior, o da soberania nacional e de levar, principalmente ao Estado de Roraima, a energia que produzimos aqui no coração do país e evitarmos que, no futuro, eventualmente aquele Estado venha a sofrer com falta de energia advinda do exterior, e até que nós todos, cidadãos do nosso país, tenhamos que pagar por uma energia elétrica mais cara fruto da necessidade de operar uma termelétrica”, disse o porta-voz.

Roraima é o único Estado do país não interligado no SIN (Sistema Interligado Nacional) e, por isso, é abastecido pela energia elétrica gerada na Venezuela e por usinas térmicas a diesel, mais poluentes e mais caras.

Atualmente, 70% da energia fornecida para os consumidores de Roraima é importada da Venezuela. Na semana passada, o presidente daquele país, Nicolás Maduro, fechou a fronteira com o Brasil. E tem ameaçado cortar o fornecimento de energia ao Estado.

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou na 3ª feira (26.fev) a proposta de edital para contratar energia para o Estado de Roraima. O leilão está marcado para 31 de maio.

Para acelerar a tramitação, a obra foi considerada de interesse da política de defesa nacional. A Aneel já havia licitado o projeto em 2011 com a previsão de conclusão em 2015, mas por entraves ambientais o projeto não foi posto em prática.

A decisão foi tomada pelo Conselho de Defesa Nacional, composto por:

  • Jair Bolsonaro, presidente da República;
  • Davi Alcolumbre, presidente do Senado;
  • Rodrigo Maia, presidente da Câmara;
  • e ministros Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública), general Fernando Azevedo e Silva (Defesa), general Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Paulo Guedes (Economia).