Não era ao contrário?

Manaus foi uma cidade que cresceu desordenadamente sem respeitar as regras básicas do meio ambiente e do urbanismo. Construir a menos de trinta metros dos igarapés é uma constante principalmente nas áreas de invasão. Tudo fiz para evitar a continuação dessa prática. Terminei incompreendido por alguns de boa fé e sendo acusado por outros, de má fé, de ser insensível.

A verdade é que nesse campo é melhor impedir, ou tirar no início, do que depois ter que conviver sempre com problemas de todas as ordens que afetam a todos mas principalmente quem mora no local.

Certa vez, numa dessas chuvas de abril, uma casa construída em cima de uma linha de tubos que drenava a água da chuva para o leito de um igarapé veio abaixo.

Fui ao local e lá a dona da casa muito braba estava xingando todo mundo atribuindo a culpa do desabamento à Prefeitura. Quando me viu veio para cima:

” Prefeito, passaram esses tubos por debaixo da minha casa e agora com a chuva ela caiu. E ai, quanto é que o senhor vai pagar?”

Eu, com toda a calma que Deus me deu, respondi perguntando:

“Não foi ao contrário? Não foi a senhora que construiu a sua casa em cima dos tubos?”

Aí ela baixou a voz e desconversou:

“Eu não sei não. Eu já comprei de outra pessoa.”

A Defesa Civil acomodou a senhora em outra residência e o restante dos escombros foi removido para que a linha de bueiros pudesse ser refeita.

3 comments

  1. Infelizmente esta é a triste realidade ao entorno de Igarapés,Canais,Lagos e etc de várias cidades de nosso País.
    Em Manaus não podia ser diferente.Por exemplo,aos poucos foram privando o acesso público as margens do Tarumã com loteamentos de alto luxo,acabando um dos poucos pontos turísticos,como o tradicional flutuante da Tia que era tido como uma exelente opção turística e de lazer.Edifícios como o que avança sobre o Igarapé ao Lado do Parque dos Bilhares,na Constantino Nery.E isso não faz muito tempo

  2. É Sarafa… são obras dos que estão há vinte anos no poder! Dos políticos sensacionalistas que se aproveitam das nessecidades do povo humilde, para se promoverem. Como por exemplo: incentivar a invasão com “urbanização”, colocando uma fina camada de asfalto e dizendo que está urbanizado. Invadindo áreas particulares e vendendo pedaços de terra, como se fossem proprietários das mesmas. Aí acontece isso que o senhor acabou de narrar, e ainda está arriscado levar a culpa, pelo simples fato de acontecer o que aconteceu, na sua administração. Sendo que o erro ocorreu anos antes.

  3. é lamentavel prefeito que as pessoas não consiguiro entender que pro senhor colocar agua na cidade precisaria corta a cidade de leste a oeste e as buraqueiras iriam aparecer na cidade hoje desde a sua saida não foi colocado mas nenhum tubo de agua na cidade sem contar que os funcionaris da semosbh e da semusp estão sendo humilhados por essa administração que mais parece e uma besta fera. volta prefeito serafim os funcionarios te esperam

Comments are closed.