Na questão do assédio, o Brasil não é ridículo, afirma Mario Rosa

Na questão do assédio, o Brasil não é ridículo, afirma Mario Rosa

Foto: A atriz francesa Catherine Deneuve liderou divulgação de carta em que diz haver um “novo puritanismo” na onda de denúncias de assédio sexualSiebbi/ipernity

Outro dia, um dos maiores publicitários brasileiros me contou uma história que, sinceramente, é a prova de que estamos vivendo um mundo cada vez mais ridículo. E aqui não vai nenhuma crítica. Pelo contrário. A corte de Luís 14, com todas pieguices e excentricidades, era ridícula. Aquela mãozinha estendida de Hitler, com multidões replicando o gesto, bem, era ridículo. As redes sociais são o depositário de muito ridículo, mas são importantíssimas. Então, tudo que eu gostaria de ser era ridículo também. Não que não seja. Sou um ridículo frustrado. Somente poucos amigos me honram com esse reconhecimento. Mas voltemos ao caso.

Esse grande publicitário comanda uma agência de abrangência mundial e foi para uma reunião global do board –aí, nada mais ridículo do que salpicar uma palavra em inglês quase casualmente, quando podia ter usado outra em português, tipo “cúpula”. Chegou lá e percebeu um código não escrito, mas seguido por todos veladamente: os homens (executivos) estavam evitando tomar os mesmos elevadores em que estivessem mulheres (executivas), a não ser que as cabines contassem com câmeras de filmagem.

Tudo isso por quê? Para terem provas contra qualquer acusação potencial de assédio! Na dúvida, então, elevadores para meninos e outro para meninas. Isso me lembrou meus tempos de colégio interno. Eram colégios católicos. Havia até salas para meninas e outras para meninos. Recreios para cada sexualidade. Banheiros separados. Dai veio uma onda chamada igualdade sexual e tudo se misturou e, paradoxalmente, esses avanços estão terminando nesse apartheid sexual novamente? Que coisa ridícula! No bom sentido!

Na cerimônia do Globo de Ouro, as mulheres protestaram contra o assédio. Ótimo! Todas se vestiram de preto contra homens inescrupulosos que abusam de seu poder e tentam tirar vantagens sexuais de suas posições. Queriam demonstrar luto. Pareciam freiras. Criaram até um slogan “time is up“, tipo “o tempo de vocês (seus canalhas assediadores) acabou!”

Quer saber? Quem é a favor do assédio sexual? Do uso do poder numa organização para obter vantagens sexuais? O combate ao assédio é superbacana. Agora, o exagero que causas bem intencionadas podem provocar são ridículos. E quem diz isso não é este misogenozinho, machista, prepotente, opressorzinho desprezível não. Coube à ma-ra-vi-lho-sa Catherine Deneuve colocar o seu lindo (atenção, posso estar cometendo assédio) dedinho na ferida. Ela encabeçou um manifesto com outros 100 artistas francesas chamando atenção para o ridículo do radicalismo das feminazis.

O que basicamente o manifesto diz é que a liberdade sexual foi feita para –imaginem?– libertar a sexualidade. E que essa torrente de radicalismo, denuncismo, caça às bruxas, delações feitas em redes sociais e programas jornalísticos, essa repressão toda é o contrário do que pregavam as libertárias dos anos 1960.

Ora, abusos de poder à parte, um homem se sentir atraído por uma mulher, demonstrar isso, flertar, encaixar uma pequena sacanagem numa frase solta no meio de um jantar, tudo isso agora pode ficar reduzido a uma perigosa agressão? Quer dizer que as mulheres, depois de tudo que conquistaram, tornaram-se seres fragilíssimos, que não podem ter qualquer contato, por menor que seja, com o gênero oposto? A liberdade delas não pode ser simplesmente dizer não e acabou? Tem de ser castrar qualquer impulso do outro? A liberdade das radicais é acabar com com a liberdade do outro? É assim?

Ainda mais nos dias de hoje em que homens e mulheres, todos os gêneros, praticamente moram no trabalho? Será só algo pernicioso que um dia um chefe se apaixone por uma subordinada ou o contrário? Será intolerável que amores surjam em escritórios, ambientes profissionais, que paqueras ocorram, que flertes sejam arriscados? Será que tudo isso é lixo? Ou será que há um certo exagero em certos radicalismos?

Vamos voltar aos anos vitorianos? Vamos voltar à segregação sexual para, enfim, comprovar que avançamos? O exagero do combate ao assédio é ridículo. Destruir publicamente pessoas por causa de um punitivismo primitivo é ridículo. Retroceder a padrões moralistas antiquados e ter isso como norma é ridículo. Criar um ambiente de denuncismo e de suspeição é ridículo. Destruir tantas reputações ao mesmo tempo ao ponto de a opinião pública não conseguir mais distinguir o que é correto ou não –isso é ridículo.

Ainda bem que vivemos no Brasil, onde nada disso acontece.