Do blog do Marcelo Ramos

Transcrevo a seguir importante artigo do Vereador Marcelo Ramos em seu Blog, que mereceu comentários do blogueiro mais importante do Brasil, Ricardo Noblat, e do Senador Arthur Virgilio Neto, também transcritos.

É certo que não se faz política sem uma pitada de pragmatismo. Mas o Presidente Lula tem exagerado na dose, abandonando seus aliados históricos e ficando cada vez mais refém de uma aliança que o líder do PT no Senado, senador Aloísio Mercadante, chamou de espúria e que teve como última peripécia a eleição de Fernando Collor (PTB) para a presidência da Comissão de Infraestrutura do Senado.

O caminho traçado por Lula e por uma parte do PT começou com a derrota para a presidência da Câmara do Deputado Federal Aldo Rebelo (PCdoB). Supostamente apoiado pelo Presidente, Aldo, que fora um combatente fiel do Governo, foi vencido pelo petista Arlindo Chinaglia, com apoio do PSDB.

A estratégia que fazia vítimas entre os aliados históricos, não demorou a vitimar os próprios petistas.

Na eleição para a presidência do Senado, Lula prometeu apoio ao seu fiel partidário Tião Viana, mesmo sabendo que o PT tinha apenas a quarta bancada da Casa e que a tradição indicava que o Presidente deveria ser do partido com a maior bancada. Não resistiu ao simples anúncio da candidatura de José Sarney, lavou as mãos e assistiu passivo o naufrágio da candidatura do senador acreano.

Por último, o PT enfraquecido pelo abandono de Lula, perdeu a Comissão de Infraestrutura do Senado para Fernando Collor (PTB) que contou com o apoio dos senadores pemedebistas. A derrotada, senadora Ideli Salvati (PT), foi uma das mais ferrenhas defensoras do Governo durante suas piores crises (mensalão, CPI Correios, só pra citar algumas), mas nem isso importou para Lula, agora apaixonado pelo PMDB.

O que Lula não percebe é que talvez seu pragmatismo só seja menor que o do PMDB e este, por certo, o abandonará no primeiro sopro de vitória do PSDB nas próximas eleições.

Quanto Lula e uma parte do PT perceberem o quanto machucaram seus aliados históricos e até seus partidários, perceberão que já não sobra ninguém para lutar com eles.

Isso me lembra um poema de Bertold Brecht…

Os comentários:

O tempo corre a favor do PMDB Exagero? Pode ser. Mas ao assistir o vídeo abaixo, a primeira idéia que me veio à cabeça foi a do PMDB engolindo o governo. E expelindo, depois, sua casca. Isso talvez jamais ocorra. Lula é um político esperto. E repousa sobre uma avaliação positiva de 84%. Se perder 20 pontos percentuais até o fim do seu mandato irá para casa em janeiro de 2011 como o presidente campeão de popularidade. Não é pouca coisa. Mas Lula está cada vez mais refém do PMDB. E o apetite do PMDB por cargos e outras vantagens é igual ao de uma serpente faminta. Ao se eleger pela primeira vez em 2002, Lula rejeitou a idéia do seu ministro José Dirceu de dividir o governo com o PMDB. Preferiu atuar no varejo. Recompensava pontualmente os partidos que votassem como ele queria. Deu no mensalão. Lula rendeu-se ao PMDB quatro anos depois. Não só para atravessar em relativo sossego seu segundo mandato, mas para tentar fazer seu sucessor. O sossego depende da satisfação permanente das vontades do PMDB – e a qualquer momento isso poderá lhe custar muito caro. A eleição de Dilma Rousseff depende da capacidade do próprio Lula de arrastá-la ladeira acima – não depende do PMDB. Pois está escrito nas estrelas: como de hábito, o PMDB se dividirá entre os mais fortes candidatos a presidente. Foi sempre assim. A divisão se dará levando-se em conta o desempenho deles nas pesquisas de intenção de voto até meados do próximo ano. Haverá tempo de sobra até lá para que o PMDB chantageie o governo de todas as formas. O tempo está a favor dele e contra Lula.

Enviado por: Ricardo Noblat as 19:38 06/03/2009

Caro Marcelo, Seu artigo de hoje (Lula, o PT e o Pragmatismo na Política) é de uma lucidez impressionante. Acabo, aliás, de retransmiti-lo aos Senadores Aloizio Mercadante e Tião Viana e ao jornalista Ilimar Franco, de O Globo. Em minha opinião, o PTB somente ousou enfrentar o PT e, sobretudo, o princípio da proporcionalidade que o Senado sempre observou na hora de preencher os postos da Mesa Diretora, das Comissões, porque contava com as costas quentes do PMDB. E este sabia que o Presidente Lula não haveria de reagir, até porque conta mesmo com a lealdade petista e trabalha meio refém da numericamente poderosa bancada peemedebista. Mas a atitude do PMDB se explica igualmente quando percebemos que o mandato presidencial está indo para o fim. Vinte e um meses mais e pronto. Acabou. Essa ousadia não teria acontecido em 2003, com toda a crise econômica, muito menos em 2007, após a reeleição que Lula obteve derrotando o candidato do meu partido. Se não me equivoco na análise, daqui em diante os gestos de “independência” serão mais freqüentes. A caneta do poder vai ficando sem tinta. O café do Palácio vai ficando frio. O motorista do carro oficial começa a chegar atrasado. Só faço um reparo ao seu artigo: na verdade foram poucos os tucanos que votaram em Chinaglia contra Aldo Rebelo. Decisivos talvez, mas poucos. Eu, por exemplo, apesar de Senador, fiquei dias e dias grudado no telefone, pedindo votos de Deputados para Aldo, esse alagoano correto que é excelente representante de São Paulo na Câmara Federal. Ele, mais do que ninguém, sabe disso. Um afetuoso abraço do seu amigo e admirador Arthur Virgílio Neto

Enviado por: Arthur Virgílio Neto as 19:01 06/03/2009

13 comments

  1. A leitura, da atual situação petista, feita pelo Ver. Marcelo Ramos é de uma precisão cirúrgica… Relatou exatamente a realidade: a de que o PT vem abandonando seus aliados históricos em troca do “apoio” do PMDB, um partido corrupto, como pensa o senador Jarbas Vasconcelos. O Vereador conhece bem esse tipo de situação. Nas eleições passadas, o seu partido (PC do B) abandonou, literalmente, o Prefeito Serafim, para compor com o candidato do Governador (Omar). Após ter participado da maior parte do governo Serafim, o PC do B virou as costas no momento que ele (Serafim) mais precisava. Do mesmo jeito agiu o PT. No segundo turno, a neutralidade de ambos os partidos foi um dos fatores para a derrota de Serafim. Entretanto, o único que se manteve fiel ao prefeito foi o Vereador Marcelo. Sofreu pressões, ameaças, mas ficou até o fim, mesmo prevendo a possível derrota de Serafim.

    Parabéns vereador, pelo artigo e pela postura coerente nas últimas eleições.

  2. Guardadas as devidas proporções, não foi isso o que vimos acontecer em Manaus, quando PT e PC do B abandonaram o barco do Prefeito Serafim Corrêa?
    A diferença está no fato de que o PT – ou parte dele? – abraçou candidatura própria e o PC do B entregou-se de corpo e alma ao PMDB do governador.
    Ao que parece, e lamentavelmente, os partidos identificados com a esquerda têm abusado do pragmatismo e isso pode levá-los – se é que ainda não levou – a uma overdose.

  3. Este sim é o verdadeiro politico que a cidade precisa sempre ter na camera de manaus, porque a maioria só presta para nao fazer nada e ainda querer ganhar muito bem as cistas desse povão que os elegem sempre
    bravo Marcelo Ramos, seus pai Humberto e seu avó Artur devem estar orgulhosos de voce la na eternidade

  4. Lealdade, coragem e inteligencia são algumas das qualidade desse excelente parlamentar. Com certeza esse rapaz é um dos melhores vereadores da camara municipal de Manaus e dos politicos de nosso estado o que terá um dos futuros mais promissores nesse ramo.
    Parabens Ver. Marcelo Ramos

  5. Serafim
    objetivo e perfeito o que escreve o Marcelo Ramos. E compreensível tudo isso. O PT foi engolido por tudo o que combateu ao longa de sua existência anterior a Lula presidente. Engraçado, o próprio Lula é símbolo de resistência e só assim chegou ao Palácio do Planalto. Eis que de uma hora para outra não resiste mais, se entrega. E deixa pelo caminho um punhado de valorosos aliados. Não é difícil imaginar o que se passa neste momento na cabeça da ministra Dilma. “Onde estou me metendo?”.

  6. Parabéns ao Marcelo Ramos pela lucidez e coragem. Lamentavelmente, na “politicagem” os “valorosos aliados”, como disse o Coronel, acabam sendo abandonados pelo caminho.

  7. Quando percebo uma postura firme assim em um político que representa a “nova geração” respiro novamente a esperança de que dias melhores virão na nossa política, dias em que todos serão tratados com lealdade e direitos iguais de acordo com a democracia que tanto defendemos. Parabens vereador Marcelo! quando chegar ao senado, dê oportunidade a todos e não esqueça seus aliados !!!

  8. Não podemos perder o senso crítico jamais, que ele independa das alianças e relações.
    Parabéns!

  9. Caro Vereador Marcelo Ramos você como cidadão ótimo, como Vereador muito mais. mas o que eu quero lhe informar vereador, é que todos os funcionarios da Prefeitura que foram colocado no governo do Serafim, todos estão fora e, alguns que ficaram estão sofrendo perceguição e, no momento não tem ninguem que fala por nós. nós ficamos, janeiro e fevereiro afastado do nosso trabalho e, retornamos só em março e os dois meses que ficamos afastado, nos pagaram salario minimo. Gostaria Vereador, que sua excelência tomasse providencia sobre uma lista de RDA, que vão ser dispemsado no final do mês.

  10. Caro Marcelo Ramos, sou pedagoga de uma escola do município e 3 meses atrás consegui entrar para o mestrado em educaçao da UFAM, eu assim como 09 colegas pedagogos ou professores do quadro da SEMED. Entramos com pedido de afastamento com Ônus para que pudéssemos realizar o curso com tranquilidade visto que nele nos é exigido disposiçao de horário devido as diversas e intensas atividades. Acreditávamos que iriamos conseguir, por estarmos respaudados legalmente,e a exemplo de outros colegas que no período em que seu pai era prefeito, tiveram esse direito assegurado. No entanto, estamos sendo humilhados por termos que faltar nas escolas devido as aulas. Pais nos denunciam, alguns diretores nos mandaram decidir, ou estuda ou pede exoneraçao ou ainda, ou, ainda, paguem alguem para ficar no seu lugar. Nós temos a necessidade de buscar novos conhecimentos e contribuir para a melhoria da educaçao do município, porém isso não tem valor para essa nova administraçao.Acho importante saber que para um de nossos colegas o próprio secretário de educaçao disse que “”isso era um problema dele e não sa secretaria. Como somos valorizados! Nos dá repugnancia saber que temos à frente da educação um sujeito alheio aos seus processos.Pedimos seu apoio, para que de alguma forma traga baila essa questão. Grato pela atenção.Desculpe, o nome Vanessa é fictício pois temo repressões

  11. Caro marcelo Ramos,
    Agora a pouco lhe enviei um comentário no qual refiro Serafim Correa como seu pai. Desculpe o equívoco, confundi com Marcelo Serafim. Mas… nao tem problema algum, o que importa é que leia essa reinvidicaçao e colabore conosco. Abraços

  12. Sr. Serafim, sou jornalista do Jornal do Commercio, por favor, nós do jornal precisamos falar com o senhor, pois, não estamos conseguindo nos comunicar por telefone. Abaixo deixo os meus contatos.
    cel-(92)8135-1420/ 2101-5500/2101-5538
    email- [email protected]

    Abs,

    Cher

Comments are closed.