Continua faltando remédios

Uma das mais importantes realizações da minha administração na área da saúde foi, dentre outras tantas, o REMÉDIO FÁCIL. A garantia de 62 remédios para as pessoas mediante a apresentação da receita médica. Chegou a atender mais de 270.000 pessoas por mês, dos quais cerca de 120.000 eram hipertensos e diabéticos que precisam tomar a medicação todos os dias.

Não faltaram remédios. Havia uma placa pregada em cada unidade de saúde de tal forma que todos poderiam ver os nomes dos medicamentos. Lá, também estavam os números dos telefones para reclamações. Enquanto durou o estoque que deixamos, tinha remédios. Depois que acabou não há mais remédios e o pior: retiraram as placas, como se com isso fossem resolver a situação.

Que lamentável!

O próximo passo no atendimento de quem precisasse de medicamentos era instalar postos de entrega nos terminais de ônibus e locais de grande concentração de pessoas. Esse projeto ficou pronto.

O mínimo que se esperava era que mantivessem o programa pelo seu alto alcance social. E que prosseguissem no plano inicial implantando os postos de atendimento nos terminais de ônibus, por exemplo.

9 comments

  1. Não só os remédios estão em falta,mas também um atendimento digno à população que faz uso das UBS, nesta atual “administração” a total falta de respeito com as pessoas fica bem visivel no que foi “prometido em campanha” e está longe da realidade vivida pelo povo que se deixou enganar por uma bolsa família munipipal e outras coisas que não vale comentários. Estive na campanha com o ex-vereador Braz Silva e acreditei muito na re-eleição mas não deu,bola pra frente e volta Serafim.
    Um abraço,
    Silvio Telles

  2. Falta remédio. Falta profissional especializado. E pasmem, falta pagamento de funcionario também. Ontem fiquei sabendo de uma funcionário da Maternidade Moura Tapajos, que nao recebe sua função desde o ano passado!!!!

  3. Companheiro Serafim,

    O Programa Remédio Fácil foi inovador e motivador, sendo apresentado com destaque no Congresso Nacional dos Secretários Municipais de Saúde e Premiado pelo Conselho Federal de Farmácia. O programa não somente demonstrou que é possível garantir a assistência integral a saúde, incluindo a dispensação de medicamentos, mas também a transparência e o compromisso , (cartazes fixados em casa Unidade de Saúde), além da participação da população que fazia suas sugestões e/ou denúncias através do Telefone 0800 280 8485, ou ainda dos telefones da Diretoria de Assistência Farmacêutica (hoje extinta) 3214-2401 ou 3238-1578. Com isso conseguimos incluir novos anti-hipertensivos como Anlodipino, atenolol e enalapril, além da inclusão de medicamentos como glimeperida, ambroxol, ibupofeno , albendazol e tantos outros importantes para o tratamento de doenças na atenção básica.

    As Farmácias do Remédio Fácil programadas para serem instaladas nos terminais de ônibus, foram devidamente planejadas. O Presidente do IMTU a época o Vereador Marcelo Ramos apoiou imensamente esse projeto. Além dos Vereadores Braz Silva e Elias Emanuel que divulgaram amplamente o projeto na mídia local.

  4. Sarafa, a hora do Atrazonino Mendes também conhecido como Maluf do Amazonas, está chegando. Todas as promessas que o mesmo fez na época de eleição, ficaram como palavras ao vento.

    Tenho pena dos Manauaras, que hoje sofrem com um dos prefeitos de Capitais do Brasil, mais atrasados no modo de administrar.

    É triste, mas temos que esperar, infelizmente!!

    Volta logo Sarafa!

  5. Serafim
    Lamentavelmente temos que voltar a bater teclas neste assunto visto que o compromisso da atual admnistração para com o povo mais carente e que realmente necessita dos medicamentos é nulo.
    Trancorridos sete meses de gestão a administração municipal na área da saude pouco se preocupa em sustentar um programa de alcance social tão relevante como o Remédio Fácil.
    Os atuais gestores com a pequenês peculiar de sempre acham que acabando com este programa apagam da memoria do povo uma lembrança das mais importantes que você deixou que foi cuidar das pessoas especialmente dos mais carentes; miram no alvo errado pois prejudicam e muito esse povo carente e sofrido que busca saúde.

  6. Caro Serafim!!!

    É triste ter que concordar com o sucateamento sistemático da saúde em Manaus. Em 2008, durante sua administração, o sr. reformou a UBS do Bairro da Paz III e estive presente à inauguração. Eu sou diabético e hipertenso e ia regularmente àquela UBS, com a minha receita, buscar o CAPTOPRIL e o CLORIDRATO DE METFORMINA. A atual administração, além de suspender o fornecimento, fechou a UBS (casinha) transfrrindo-a para o Cj. Res. Ajuricaba, próxima a E. E. Raimundo Nogueira. É notável como Amazonino gosta de tudo errado!!!

    Sem mais!!!

  7. Isto é inacreditável e inaceitável.Como uma população inteira é prejudicada no seu direito constitucinal de ter acesso à saúde?Sinto,prefeito,que o sistema de saúde nunca será o mesmo…Hoje o povo é consciente de que a saúde era prioridade do seu governo.Volta prefeito….

  8. Caro sarafa dos 62 tipos de medicamentos disponibilizados na sua gestao restam agogara miseros 21 tipos para dispensaçao!!!
    Seu programa nao deixava faltar, somente pecava em um ponto; a ausencia de profissional farmaceutico nas unidades para controlar a saida e entrada, tarefa essa que ainda recai sobre a enfermagem!!!

Comments are closed.