ARTHUR ATIROU NO QUE VIU E ACERTOU NO QUE NÃO VIU

Ontem o Senador Arthur Virgilio Neto chamou a imprensa para denunciar um esquema de compra de votos.

O D24am registrou a entrevista nos seguintes termos:

“O senador Arthur Virgílio Neto (PSDB), em entrevista coletiva na manha desta sexta-feira (8), apresentou documentos e cartões bancários que afirma terem sido usados para compra de votos durante o processo eleitoral em favor dos candidatos ao Senado, Eduardo Braga (PMDB) e Vanessa Grazziotin (PCdoB), justamente os que venceram a eleição.

De acordo com Arhur, sua assessoria jurídica entrou com pedido no Ministerio Publico Federal (MPF) para que faça uma avaliação do material recolhido e uma auditoria nas contas da empresa A.C. Nadaf Neto Assessoria em Comércio Exterior, que expediu os cartões usados.

Arthur disse que tomou conhecimento dos cartões através de pessoas que denunciaram o “esquema” e que agora cabe ao MPF realizar as apurações.

No momento da coletiva, cinco pessoas estavam depondo na sede do MPF. De acordo com a assessoria do MPF, ainda nao há previsão para que o caso seja discutido pelo procurador Edimilson Barreiros.

“Meu dever nessa primeira abordagem é mostrar para a população que essa campanha foi maculada por práticas espúrias que denigrem o processo democrático e caberá agora ao MPF apurar e punir as pessoas e instituições envolvidas”, disse Arthur Neto.

Na denúncia, o senador diz que “os beneficiários receberam valores que variavam de R$ 600,00 a R$ 1.200,00 para efetuar a compra de votos para os candidatos ao Senado Eduardo Braga e Vanessan Grazziotin”.

Mais tarde o coordenador da campanha de Vanessa e Braga, Dr. Raul Zaidan respondeu, tendo o D24am noticiado:

“Após as acusações do Senador Artur Virgílio Neto (PSDB), os representantes da Coligação ‘Avança Amazonas’ negaram as compras de votos, durante entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira, dia 8 de setembro, na sede do PMDB, no bairro Parque 10. O chefe do comitê financeiro da coligação e ex-chefe da Casa Civil, Raul Zaidan, afirmou que os cartões do Banco Bradesco são legais perante a legislação eleitoral.

Zaidan contou que todas essas pessoas ganharam um ‘cartão-empresa’ do Banco Bradesco para sacarem o salário. De acordo com o ex-chefe da Casa Civil, esse mesmo procedimento foi utilizado na reeleição de Eduardo Braga, em 2006. “Usamos cartões porque fica melhor para os membros do interior do Estado receberem o próprio dinheiro. Mas poderia ser cheque ou contra-cheque”, destaca Zaidan. “Por que a cisma com esses cartões?”, questiona.

De acordo com Zaidan, os salários eram de R$ 600 para os cabos-eleitorais e R$ 1.000 para os coordenadores de campanha. O pagamento, segundo ele, ocorreu entre os dias 30 de setembro e 2 de outubro. Ele disse que a coligação não deve ser responsabilizada pela maneira como os cabos eleitorais utilizam o próprio dinheiro. “Eles poderiam usar o dinheiro para comprar votos, se quisessem. Mas nós não os orientamos a isso. Todos os deveres deles estão estipulados no contrato”, disse o chefe do comitê financeiro.

Amizade

Sobre a relação com a empresa A. C. Nadaf Neto Assessoria em Comércio Exterior, Raul Zaidan explicou “Ele é meu amigo de 20 anos. Tem minha confiança. Foi escolhido por mim e não pelos candidatos. A responsabilidade é minha e não dos candidatos”.

Zaidan destacou que o fato da empresa também prestar consultoria ao Governo do Estado não impede que ela também firme outros contratos.”

À primeira vista a resposta poderia encerrar o assunto, mas coloco para a análise dos meus leitores um problema que a meu ver é da maior gravidade e passou despercebido pelos dois lados. É que a empresa contratada para operar a folha de pagamento dos cabos eleitorais é uma empresa individual (onde a gerencia é feita pelo próprio titular) de propriedade de um funcionário público municipal colocado à disposição do Gabinete Civil do Governado,r onde exerce um cargo comissionado. Ou seja, o Gabinete do Governador cedeu à campanha do Governador, do ex-Governador e da outra candidata ao Senado um funcionário para operar todo o pagamento de cabos eleitorais.

Pergunto: pode isso?

Acho que não. Vejam o que diz o art. 73, III, da Lei das Eleições (9.504/97)

Art. 73. São proibidas aos agentes públicos, servidores ou não, as seguintes condutas tendentes a afetar a igualdade de oportunidades entre  candidatos nos pleitos eleitorais:

III – ceder servidor público ou empregado da administração direta ou indireta federal, estadual ou municipal do Poder Executivo, ou usar de seus serviços, para comitês de campanha eleitoral de candidato, partido político ou coligação, durante o horário de expediente normal, salvo se o servidor ou empregado estiver licenciado;

Se alguém alegar que ele fez isso fora do horário do expediente é de se perguntar, como?

Ora, se ele exerce um cargo comissionado o seu expediente é de oito horas. Como é possível gerenciar uma relação com um banco para administrar a folha de mais de 6.000 pessoas fora do horário de expediente? Impossível.

Outra alegação seria de que ele estava licenciado. Pergunto de novo: como? Cargo comissionado não tem esse tipo de licença.

Poderia, então estar de férias?

Improvável porque o contrato iniciou-se em 17 de julho e até hoje se passaram 83 dias. Tem férias de 83 dias?

A seguir conheçam os documentos que comprovam os fatos:

O CNPJ DA EMPRESA INDIVIDUAL A. C. NADAF NETO ASSESSORIA:

DECRETO DA DISPOSIÇÃO PARA EXERCER O CARGO COMISSIONADO:

DECRETO QUE PRORROGA A DISPOSIÇÃO EM 28.09.2010:


O PRAZO DO CONTRATO DOS CANDIDATOS COM O FUNCIONÁRIO ABRAHIM CALIL NADAF NETO:


PROVA DE QUE QUEM OPERA TODO O SISTEMA É O PRÓPRIO FUNCIONÁRIO:


Não me cabe julgar ninguém, muito menos decidir qual a conseqüência do uso de um funcionário público na campanha eleitoral. Isso cabe à Justiça Eleitoral e, por certo, ela o fará, quando provocada, mas esse fato pode resultar na cassação dos registros e/ou até dos diplomas em virtude do que estabelece o parágrafo 5º do referido art. 73, como se lê a seguir:

§ 5o Nos casos de descumprimento do disposto nos incisos do caput e no § 10, sem prejuízo do disposto no § 4o, o candidato beneficiado, agente público ou não, ficará sujeito à cassação do registro ou do diploma.

O Senador Arthur atirou no que viu e acertou no que não viu.

Vamos aguardar.

21 thoughts on “ARTHUR ATIROU NO QUE VIU E ACERTOU NO QUE NÃO VIU

  1. HOMEM HONRADO!

    Homens honrados tem coragem, princípios, inteligência e cultivam valores universais. Servem à Nação, não a uma facção. Gostaria muito de contatar homem honrado que nem o senador Artur Virgílio. A lan é o melhor caminho para mais detalhes. O caminho é [email protected]. Estamos no fio da meada.

  2. Vc foi cirúrgico. Agora, não há explicação. A Justiça deve se pronunciar imediatamente. A democracia foi estuprada, a legislação eleitoral ignorada e a vontade do povo alterada. Chega. Eleição se ganha no voto!!!!!!!! Parabéns, Serafim!

  3. parabéns, amigo. só você, mesmo, com sua inteligência e espirito publico poderia dar excelente contribuição, para esclarecer melhor esse fato.
    Curioso é que advogados e advogados dos dois lados, contratados para trabalhar na campanha, devem saber de todos os aspectos que você levantou, para demonstrar parte de uma possivel fraude. Não o fizeram, esperando o quê?
    Espero que a partir de agora, MPF e Policia Federal passem a investigar o caso e que em breve se possa dar uma resposta à sociedade.
    abraços,

  4. dinâmica dos escândalos

    Quando A estoura um escândalo, ele ganha dinâmica própria e foge ao controle dos atores principais. Outros atores emergem e surgem novos escândalos. Foi o que aconteceu no caso da quebra dos sigilos fiscais por petistas da Receita Federal dos filiados do PSDB e da família do Serra. Logo depois estourou o escândalo Erenice Guerra que acabou na demissão da ministra e na ida das eleições presidenciais para o segundo turno. No Amazonas não será diferente. Embora a imprensa tradicional cumpra papel deplorável diante dos fatos, a TV Amazonas, afiliada à Rede Globo, sonegou as denúncias do senador Arthur Virgílio a seus telespectadores e o jornal Em Tempo publicou apenas as respostas dos acusados de crimes eleitorais, os blogs de Manaus e do Brasil, os jornais Diário do Amazonas e A Crítica e a TV A Crítica divulgaram os fatos de forma isenta. No blogdosarafa.com.br surgem novas variantes do caso, tipificando novos crimes eleitores. O Ministério Público Federal já tem farto material para iniciar uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral. Para o caso do “Bolsa Fraude”, a chave é a empresa A.C Nadaf Neto e o Bradesco, mas o cardápio de crimes eleitorais cometidos por Eduardo Braga e Vanessa Grazziotion é completo e só ainda não foi totalmente aberto por uma questão de estratégia, segurança e inteligência. Testemunhas não podem ser expostas ao risco de ameaças e intimidações e os crimes serão apresentados caso a caso, fatiados. Só temos uma certeza, a reeleição do senador Arthur Virgílio no Amazonas foi roubada. Ele vai lutar até o fim para proteger o seu mandato, a vontade do eleitor, a democracia e a eleição de Serra presidente do novo Brasil. Estamos no fio da meada.

  5. O problema não e se foi certo ou errado, o problema e quem em toda esfera política se utiliza os meios espúrios para se chegar no poder. A legislação existe, eles brincam com a lei e nos fazem de palhaços por que no final, alguem vai sair rindo dessas história, a população nao fiscaliza…

  6. É realmente triste saber que nosso povo vende voto por tão pouco. O senador Arthur peder a eleição é uma surpresa, mas ver alguém que outrora era da esquerda e lutava contra corrupção e pelos direitos da população, é realmente decepcionante…

    Que se faça justiça!

  7. Faço minhas as palavras do vereador Leonel Feitosa, do mesmo partido do senador, o PSDB. O senador Arthur Virgílio cometeu vários erros ao longo da campanha. Primeiro ele fingiu que apoiava o seu candidato ao governo, o vereador Hissa, depois se arrependeu quando viu que poderia usar o tempo dele para aparecer. Daí ele tomou o tempo do vereador Hissa na tv.

    Onde chegava acendia uma vela pra Deus e outra para o Diabo. O povo não é bobo. Sua candidatura não tinha musculatura. Foi alicerçada numa arrogância digna do PT com Dilma.

    Confiava que Sabinos da vida poderiam lhe dar votos. Perdeu para si mesmo, por que foi linguarudo, como diz o povo. Desiquilibrado. Arhtur disse certa vez que colocaria uma algema em Gilberto, escreveu um bilhete cretino ara vc, Sarafa, ameaçou de surra o presidente da República ( eu que nem votei no Lula não gostei)e foi desrespeitoso com o governador Eduardo Braga o chamando de ladrão.

    Vanessa vai ser uma boa senadora. Quanto a Arthur…tem que fazer aula de etiqueta.

  8. Acompanhando o blog e o desenrolar desse caso, aqui de SPaulo e sempre impressionado com sua perspicácia e elegãncia.

  9. Se for investigado pra valer vai sobrar até para o LOBO-MAU, que pega as criancinhas pra fazer mingau, rsrsrs…

  10. Caro Sarafa:
    Outro ponto para meditação: poderia o Sr. Raul Zaidan estar advogando para os candidatos?
    Acho que não, pois ele é Secretário de Governo (Chefe da Casa Civil) e o Estatuto da OAB proibiria tal atuação!

  11. MEU AMIGO SARAFA, AQUI EM ITACOATIARA FUNCIONOU O MESMO ESQUEMA DOS CARTOES DO BRADESCO PARA COMPRA DE VOTO, SO QUE PARA UM PACOTE DE CANDIDATOS, OMAR,REBECCA,SAMPAIO,EDUARDO E VANESSA, TEM QUE INVESTIGAR AQUI TAMBEM, E COLOCAR TODOS NA CADEIA.

  12. CABOS BOM SAMARITANO ELEITORAL,ACREDITO,ATÉ QUE SE PROVE AO CONTRÁRIO NA BOA FÉ DAS PESSOAS.
    AGORA CABOS ELEITORAIS QUE TRABALHAM E AO RECEBER SÃO TOMADOS POR UM SENTIMENTO ALTRUÍSTA E PEGAM DO DINHEIRO QUE SUADAMENTE GANHARAM E DIVIDEM COM ELEITORES PARA QUE ESTES VOTEM EM SEUS CANDIDATOS PREFERIDOS.
    CLARO QUE A COMPRA DE VOTOS É PRATICADAS EM TODAS AS ELEIÇÕES,NÃO SOU CRIANÇA PARA ACREDITAR AO CONTRÁRIO,TODOS OS CANDIDATOS DIRETA OU INDIRETAMENTE COMPRAM VOTOS OS PEGOS SÃO CASSADOS.
    E OS PIORES VENDEDORES DE VOTOS SÃO OS DA CLASSE MÉDIA QUE APOIAM EM TROCA DE FAVORES;OBRAS,INDICAÇÕES DE CONHECIDOS ETC.
    COM A PALAVRA O MPE,TRE E QEUMD E DIREITO.

    QUE A VERDADE VENHA A TONA.
    QUERO ACREDITAR QUE SEJA UM ENORME ENGANO.
    SE FOR PROVADO A VERACIDADE DAS ACUSAÇÕES QUE OS ENVOLVIDOS SEJAM PUNIDOS,PARA QUE SIRVAM DE EXEMPLO.
    AFINAL DE CONTAS POR TER ESQUECIDO UM RECIBO ELEITORAL ME PRIVARAM DE CONCORRER,´NÉ SENHOR EDMILSON BARREIROS .

  13. Em algumas escolas da rede publica da Zona Norte, professores afirmaram ter recebido R$ 300,00 para votar e apoiar um tal DAVID ALMEIDA, sendo que o crime ocorreu com a participação de diretores de varias escolas (Ele é o mesmo que enganou os pais dos desbravadores para votarem nele com a promessa de dar barracas e pagar inscrições de um tal acampamento a nivel estadual e usar uma ONG de sua propriedade para captar votos ilegalmente).O crime ocorreu em todas as esferas para beneficiar os deputados aliados do governador.
    O processo foi totalmente contaminado. A solução será a realização de novas eleições. Aí eu queria ver os que hoje estão eleitos correrem do parlamento para o distrito em busca de emprego.

  14. É verdade. Esse Deputado(DAVID ALMEIDA) desafia a justiça eleitoral realizando jogos no LA SALLE com finalidade eleitoreira, usando uma associação feita por seus familiares, e usa o dinheiro publico para pedir votos pra ele, distribuindo equipamentos para os times e usando uma banda pra tocar um carnaval Gosrpel.
    Com a palavra a Justiça Eleitoral.
    Será?
    O curioso é que todo fim de eleição a casa dele e seus familiares são assaltados, e o pagamento dos boca de urnas é levado.
    Brincadeira….rsrsrsrs!

  15. A reportagem da Ag. Estado é a única que fala sobre isso perguntando do advogado da coligação se ele sabia que o dono da empresa era funcionãrio e ele disse que “naõ tinha conhecimento”. Piada…

  16. Mas Sarafa, o senhor só publicou isso aqui ou fez a denúncia no TRE? Se é ilegal, não pode ficar só por isso mesmo…

  17. Acredito que a suspeita sobre o ponto não será levada adiante, já que, apesar da estreita relação entre a empresa e o funcionário, não há como provar que ele fazia isso no horário do expediente, ou sequer que não havia outras pessoas o auxiliando. É estranho e é um indício, mas um indício muito fraco para se basear a acusação, sem uma prova mais concreta.

Comments are closed.