AGU deve bater martelo sobre dívida da Oi; entenda a derrocada da empresa

AGU deve bater martelo sobre dívida da Oi; entenda a derrocada da empresa

A advogada-geral da União, Grace Mendonça, reúne-se nesta 2ª feira (30.out.2017), às 14h, com representantes do grupo de trabalho (bancos públicos, Anatel, Fazenda e Tesouro Nacional) que discute alternativas para a dívida bilionária da Oi.

No encontro, na sede da AGU, o governo deve bater o martelo sobre proposta da pasta para a recuperação judicial da tele carioca. O texto será levado para a avaliação da Assembleia de Credores, marcada para 10 de novembro.
Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

O grupo criado pelo presidente Michel Temer estruturou uma minuta com possíveis soluções para as dívidas da operadora, que somam R$ 65 bilhões. O débito da Oi com a Anatel soma R$ 11 bilhões, sendo a agência a maior credora individual da companhia.

A AGU afastou a possibilidade de intervenção na empresa. Um eventual colapso da Oi poderia colocar 2.051 municípios em risco de sofrer 1 “caladão” –apagão imediato de serviços de telefonia e internet.

O Poder360 elaborou um infográfico infográfico com o histórico da companhia até o seu estado falimentar:

linha do tempo: da Supertele nacional à caloteira

1998 – Criação da Telemar (atuação em 64% do território nacional) e da Brasil Telecom (atuação em 30% do território brasileiro), após privatização da Telebrás

2001 – As 16 empresas que integravam a Telemar, cada uma em 1 estado, foram integradas

Serviço de telefonia fixa chegou a todas as localidades com mais de 600 mil habitantes

2002 – Criação da Oi, para representar os serviços de telefonia móvel. No primeiro ano, a marca alcançou 1,4 milhão de clientes

2004 – Líder em telefonia móvel, com 5 milhões de clientes

Brasil Telecom assumiu a liderança no mercado de internet

2006 – Primeira empresa brasileira a fornecer serviços de telecomunicações na estação na Antártica Comandante Ferraz, na Antártica.

2007 – A Oi se tornou a única marca da companhia para todos os serviços

A empresa obteve grau de investimento pela agência de classificação de risco Fitch Rating’s

2008 – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou decreto que modificava o Plano Geral de Outorgas (PGO) para tornar legal a fusão entre Oi e Brasil Telecom. Antes, pela legislação, operadoras de telefonia fixa só podiam operar na área de concessão concedida em 1998, quando a Telebrás foi privatizada.

2009 – Assumiu o controle da Brasil Telecom, patrocinada pelo governo federal, com apoio do BNDES e fundos de pensão das estatais. Mas, no meio do processo, a Oi encontrou passivos equivalentes a 6 bilhões de reais que nunca foram reportados pela empresa em seus balanços.

“Supertele” nacional: a fusão criou uma operadora de receita bruta anual de R$ 41 bilhões, 22 milhões de telefones fixos e quase 30 milhões de celulares.

2012 – As ações da Oi S.A. começaram a ser negociadas na Bovespa e na Bolsa de Nova York

2013 – Faltando pouco para a fusão com a Portugal Telecom e a criação da CorpCo, o que seria a gigante multinacional das telecomunicações, mais um problema para a Oi. A operadora portuguesa comprou 897 milhões de euros (2,7 bilhões de reais, na época) em papéis de dívida do Banco Espírito Santo, o maior banco de Portugal, sem avisar os sócios brasileiros. O calote do banco, que não cumpriu o acordo, esvaziou os cofres da tele carioca.

2014 – Forneceu e patrocinou a infraestrutura para a Copa do Mundo no Brasil

Inauguração da rede de fibra ótica no Amapá: operadora se tornou a primeira a cobrir 100% dos estados brasileiros com a tecnologia
Venda dos Ativos da Portugal Telecom para a Altice por 7,4 bilhões de euros

2015 – Cobertura 4G em 133 municípios

2016 – Lançamento da cobertura 4G em mais 151 municípios do país, chegando a 284 cidades em 27 estados com essa tecnologia.

Líder no hemisfério sul: 2 milhões de pontos de acesso à rede Oi WiFi
Pedido de Recuperação Judicial em 20 de junho, com dívidas que somam R$ 65 bilhões