Plano Real: 15 anos, sem valsa nem festa

O Brasil é um país de memória curta. No último dia 28, o Plano Real que debelou a inflação e nos devolveu a moeda, completou quinze anos. O aniversário da Medida Provisória nº 434 não mereceu qualquer comentário ou ao menos uma nota em coluna social daquelas que registram as quinze primaveras da menina moça.

A minha geração, e as que antecederam a minha, sabem muito bem o que foram trinta anos de constante perda do valor da moeda, os vários planos econômicos, sempre com o corte dos três zeros, e o que tudo isso significou nas nossas vidas. E também sabemos a importância do resgate da moeda que veio com o Real.

O silencio, no entanto, foi total. Nem o sempre barulhento Itamar Franco, que assinou a MP, nem o então Ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, mentor do Plano, ao lado de André Lara Rezende, Gustavo Franco, Pedro Malan e Pérsio Arida e que mais tarde, exatamente por conta do Real, foi duas vezes presidente, disseram uma única palavra.

Já imaginaram o que seria do Brasil enfrentar a crise que hoje abala o mundo, mas que aqui tem efeitos menores, se não tivéssemos uma moeda estável ?

6 comments

  1. Sarafa, tem um livro muito bom chamado A REAL HISTÓRIA DO REAL, da Maria Clara R M do Prado. Vale a leitura. Parabéns pelo blog e gostaria de ler mais posts seus sobre Finanças Públicas.

  2. Meu caro Serafim, Parabéns pelo Blog , mais um canal de informações realmente abalizadas e com comentários precisos, racionais e sem aquele ranço das ideologias mortas…
    Lembro=me bem o que era conviver com inflação elevada , a deterioração rápida dos salários, o veneno da correção monetária e o imposto pesado que atingia principalmente os desprotegidos , os “sem banco”.
    O plano REAL e mais precisamente o instrumento da URV deram racionalidade e previsibilidade aos meios financeiros e debelaram o câncer da inflação, inserindo o Brasil no rol dos países civilizados.
    E pensar que Lula foi radicalmente contra todas as medidas acertadas do governo FHC( plano real , privatizaçoes , câmbio flutuante , metas de inflação , superavits primários, lei da responsabilidade fiscal, reformas estruturais etc) plantadas lá atrás , num ambiente externo adverso e que no fundo foram responsáveis pelos altos índices de popularidade de que goza atualmente o presidente..
    O presidente FHC plantou uma árvore robusta em que Lula espertamente deitou à sombra..
    Mas que árvores Lula estará plantando agora para as futuras gerações , se até o bolsa escola , virou a esmola eleitoral do bolsa família?
    FHC pagou um elevado preço por um governo moralizador e reformista e, por natureza ,impopular . Conseguiu tudo isso num ambiente político viciado que perdura até hoje.
    Foram muitos os avanços . A data deveria ser civicamente comemorada e merecia até um feriado nacional.

  3. Bom dia. Como Economista de 60 anos ando atrás da informação principal que ninguem tem: Qual foi a inflação do período de 15 anos.
    Se puder me auxiliar responda no meu e-mail. Obrigado. Marcos Lenzi Economista SC.

  4. Esse plano mostrou-se tão bom – Que gestores pó-Itamar Franco,ainda usufruem do seus frutos!.

  5. Prezado Sarafa.
    Realmente, o povo tem memoria curta. È um plano espetacular cujos frutos, colhemos até hoje. No entanto, a honra pelo feito, cabe aos filhos da PUC (Persio Arida, Gustavo Franco, Andre Lara Rezende, Edmar Bacha e Pedro Malan). O Sr FHC,como Min. Fazenda não participou em nenhum instante da elaboração do mesmo, tanto que, contrário ao plano, solicitou demissão 03 vezes (consulte declarações de Gustavo Franco), motivo pelo qual, nunca veio a publico reinvindicar o merito da coisa.

Comments are closed.