ONGs distorcem o processo eleitoral e a Democracia

O Blog do Holanda divulgou ontem que ONGS nos últimos anos receberam do Governo do Estado um valor total acima de 1,5 bilhão de reais. Foi um bom trabalho, que permitiu a sociedade conhecer os beneficiários de tão grande quantia. Antes o DIÁRIO DO AMAZONAS havia divulgado os dados do ano passado. Agora o Holanda disponibilizou os dados dos últimos seis anos.

Que bom seria se o Governo do Estado fizesse o que fiz quando passei pela Prefeitura de Manaus, ou seja, colocasse todos os pagamentos na Internet. Aliás, depois que saí acabou o procedimento que era feito todos os meses até o dia 5 de cada mês: disponibilizar para o mundo os pagamentos, o fluxo de caixa, enfim os dados básicos da administração. E não vejo nenhum movimento de quem de direito para restabelecer a transparência. Que pena.

Verificando a lista disponibilizada pelo Blog verifica-se que existem ONGS e ONGS.

Existem aquelas que realmente prestam serviços a comunidade, como a APAE, por exemplo, mas existem outras que são de “fachada”.

Pior, existem ONGS que pertencem a deputados estaduais e que são duplamente nocivas: pelo desvio dos recursos públicos e pela fraude eleitoral. Mais que isso, comprometem a democracia na medida em que os deputados passam a dever obediência ao Governo que lhes paga.

Essa é uma relação promíscua que não pode continuar exatamente porque ao mesmo tempo em que desvia recursos públicos, através do assistencialismo compra votos de pessoas que vêm naquele deputado um benfeitor sem saber que aquele dinheiro é público, portanto, é de todos.

É enorme a vantagem que candidatos que dispõem dessas máquinas levam quando das eleições numa completa agressão às leis e à Justiça Eleitoral que a rigor deveria, pelo menos, interromper a atividade dessas instituições durante o processo eleitoral.

Depois, eleitos ou reeleitos esses deputados não exercem os seus mandatos pela absoluta falta de independência. E até porque querem continuar com o mesmo “esquema”.

A nossa sociedade tem que readquirir a sua capacidade de indignar-se e insurgir-se contra isso tudo.

4 comments

  1. Serafim,
    Parabéns pela matéria crítica que denuncia e reconhece a existência de entidades filantrópicas que trabalham honestamente das conhecidas no jargão político como “pilantrópicas”. No nosso Estado, infelizmente, muitas são enquadradas na segunda denominação. Há oito anos que foi criado pela LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social, n. 8.742), O Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), que é responsável pela coordenação e acompanhamento da política nacional de assistência social. Nesse conselho, bem como nos das respectivas esferas estaduais e municipais, têm assento o governo e a sociedade civil, em paridade e parceria. Esses representantes tem por obrigação fazer o controle social e efetivar uma prática de caráter democrático e descentralizado na administração pública. Mas, pergunta-se, como fazê-lo se as pessoas que estão à frente dos poderes estadual e municipal não têm lisura, seriedade, honestidade e transparência nos gastos públicos? No Estado do Amazonas, um instrumento que deveria estar a serviço da sociedade, no sentido de buscar minorar as causas e os efeitos da miséria e da pobreza que assolam, de forma inaceitável grande parte da nossa população, é utilizado para desviar recursos públicos. É inaceitável e espero como cidadã que as denúncias sobre o governo de Estado sejam apuradas.
    Um grande abraço
    Katia Vallina

  2. Não tive outra maneira de fazer contato com o Sr, para convidá-lo para meu casamento na quinta-feira dia 30 as 19 horas no Armazém Buffet sito a Av. Djalma Bartista 3000 edificio do Flat em cima do L’Barca. Conto com sua presença.

    Abraços

  3. Boa Tarde!

    Acredito com certeza, que em 2010 com a saída do atual governador do poder e com a Sua entrada para governar Nosso Estado, veremos toda a sujeira exposta; é só contratar uma empresa independente de auditoria para fazer o levantamento de todas as operações de pagamentos efetuados nos ultimos anos, principalmente nos ultimos seis, que, com certeza, o bicho vai pegar.

  4. Concordo com você quando afirma existir ONGS sérias e cita a APAE como exemplo.Todavia o que devemos constatar é que estas organizações perdeam inteiramente as suas naturezas, pois ao serem sustentadas pelo Estado, com o dinheiro orindo dos tributos, passam a ser entidades estatais. Nessse sentido, a APAE é um exemplo, pois ela é de origem americana, e lá é sustentada inteiramente pela iniciativa privada.
    Além disso, e o que é mais grave, a sociedade não sabe de nada e o mérito é todo daqueles que se dizem generosos e não da sociedade que é quem paga tudo. Fazer caridade com o dinheiro dos outros é ótimo.
    O Brasil é o único País no mundo onde organização não governamental é sustentada pelo governo.Vá entender.

Comments are closed.