Lixões prevalecem até na capital da República

Lixões prevalecem até na capital da República

Manaus avançou muito nesse campo no período 2005/2008 quando estava na prefeitura, mas brevemente, se nada for feito, terá problemas graves. O que era lixão até 2007 virou aterro controlado.
Precisamos de novo aterro. O atual está chegando ao seu esgotamento.

Serafim Corrêa

 

Impasse para fechar lixão da Estrutural expõe problemas do setor no Brasil

Fonte: Poder 360 – Paloma Rodrigues / Douglas Rodrigues

Local tem novo prazo para deixar de funcionar, em janeiro.

Catadores receiam que renda diminua com a mudança.

Prazo de plano que previa fechamento de lixões já venceu.

Três anos após o prazo limite para a extinção dos lixões, 1º passo rumo a uma gestão mais preocupada com o meio ambiente e fator fundamental para o cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos, 1 novo revés mostra o tamanho do problema no Brasil. Depois de 1 novo acordo com catadores, o governo do Distrito Federal anunciou na última 3ª feira (31.out.2017), que o lixão da Estrutural, o maior da América Latina, vai funcionar, pelo menos, até janeiro de 2018. As atividades de recolhimento de lixo doméstico no local deveriam ter sido encerradas na mesma 3ª feira do anúncio.

Há semanas, a quantidade de lixo deixada diariamente sobre a montanha de 55 metros de acúmulos do local vem diminuindo. Os catadores dizem que a abundância de material que existia por lá não será encontrada nos galpões projetados pelo governo para serem os novos locais de separação de lixo. Por isso, reivindicaram mais tempo no lixão.

Para substituir o 2º maior lixão do mundo –atrás apenas do de Jacarta, na Indonésia– o governo do DF inaugurou 1 aterro sanitário, em janeiro, em Samambaia, com vida útil de 13 anos. Também planejou o aluguel de 5 galpões em diferentes locais do Distrito Federal para fazer a triagem de materiais recicláveis –trabalho executado por 8 associações que atuam no espaço. Quatro desses galpões já estão em funcionamento. O último nem sequer foi alugado.

“Não sabemos ainda como vai ficar. Só sabemos que a partir de 31 de outubro não vem mais lixo para cá”, disse Ana Cláudia de Lima, 40 anos, presidente da Associação Ambiente, a mais antiga das que trabalham no lixão da Estrutural, com 1.039 associados. “Até agora, não temos nada. Hoje, cada 1 faz com o que dá conta, trabalha por produção. Lá, não sabemos nem se vamos ter matéria”, diz.

Os trabalhadores da cooperativa de Ana Cláudia serão transferidos para 1 espaço na Ceilândia, a cerca de 15km da Cidade Estrutural –a uma hora de ônibus. Pelo novo acordo com o governo, os catadores se comprometeram a passar a atuar nos galpões até 20 de janeiro, prazo limite para sua permanência no lixão.

“De casa até aqui (no lixão da Estrutural) nós gastamos 10 minutos. Agora, de passagem daria R$ 300”, diz Juarez Fernandes, de 50 anos, integrante da cooperativa. Segundo os catadores, quem trabalhava todos os dias no lixão conseguia tirar, em média, R$ 1,2 mil por mês.

“Se fosse fácil [não existir lixões], a capital teria sido inaugurada sem”, diz a diretora-presidente do SLU (Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal), Kátia Campos, atendendo a uma demanda dos trabalhadores.

Para compensar uma possível perda de volume de lixo disponível para a triagem dos catadores, o governo do DF planeja, pagar R$ 350 por tonelada triada de material que os catadores conseguirem vender. O valor foi elevado na última 2ª feira (30.out) –antes era de R$ 92.

A SLU também promete disponibilizar 1.200 bolsas de R$ 360 aos catadores no período de transição dos trabalhos e investir em cursos de capacitação para ampliar o conhecimento técnico dos profissionais. Os catadores, no entanto, reclamam a necessidade de mais bolsas.

País tem deficit de quase 450 aterros

O lixão da Estrutural é apenas 1 exemplo de uma realidade que toma conta de diferentes cidades do Brasil. Desde 2010, o país tenta se enquadrar em uma política que trate de seus resíduos. A Política Nacional de Resíduos Sólidos tramitou por 20 anos até ser aprovada em agosto de 2010, com metas ambiciosas, como a eliminação de todos os lixões do país até 2014. Não deu certo. Três anos depois do fim do prazo, mais de 50% das cidades ainda convivem com o problema.

O Ministério do Meio Ambiente reconhece o atraso, mas luta para estruturar mudanças com 1 orçamento reduzido. “É preciso romper com estruturas que estão em funcionamento há décadas”, diz Zilda Veloso, diretora do departamento de qualidade Ambiental e gestão de Resíduos. “Houve corte de mais de 90% do repasse. Esses recursos não foram recompostos.”

O deficit de aterros sanitários, principal alternativa utilizada no Brasil ante os lixões, é de 448 –137 apenas no Nordeste. Um aterro de pequeno porte consegue atender uma cidade com entre 100mil e 120 mil habitantes. Mas, a maior parte dos municípios brasileiros (68,3%, segundo o IBGE) tem até 20 mil habitantes. Isso significa que a construção de um aterro pode exigir 1 consórcio entre cidades, o que depende da vontade política de uma série de prefeitos, para que priorizem a área do saneamento em suas gestões.

 

A Estre Ambiental, maior prestadora de serviços de limpeza urbana do país, aponta que a falta de rigor na cobrança de prazos aos municípios para que lidem com seus resíduos faz com que a política fique emperrada. “O mais difícil é medir quanto o órgão municipal ou ambiental é efetivo no cumprimento de prazos”, diz Gustavo Caetano, superintendente de contratos da empresa.

A empresa administra 13 aterros de diferentes portes, todos de construção própria. Destes, 80% são contratos firmados com o Estado. “Às vezes os prazos ficam soltos e como o gestor está no meio de 1 tiroteio de problemas, ele escolhe outros para resolver.”

A empresa também passou por 1 processo de transição com catadores para construir o aterro de Paulínea, que recebe todo o resíduo da região metropolitana de Campinas (SP). “Não fizemos só o investimento na área, também fizemos a capacitação dos clientes. Sempre que se faz uma organização para venda e comercialização, a tendência é que seja mais rentável para todo mundo”, diz Caetano.

Investimento semelhante ainda está por acontecer no Distrito Federal. Ainda estão desequipados os galpões montados para receber os catadores que passarão a fazer triagem do lixo na região. Conforme o Poder360 conta em outro capítulo dessa reportagem que será publicado na 6ª (3.nov.2017), isso tem afastado os catadores dos locais e dificultado a transição para o fechamento do lixão.