Ex-governador do Amazonas, José Lindoso completaria 100 anos nesta sexta-feira

Referência de dedicação e amor à vida pública, o ex-governador do Amazonas, José Bernardino Lindoso, completaria 100 anos, nesta sexta-feira (21), se estivesse vivo. O político permanece como um dos principais nomes na história do Estado, tendo ocupado também os cargos de deputado federal e senador.

Lindoso nasceu em Manicoré, distante 332 quilômetros de Manaus, filho de Zacarias Afonso Lindoso e de Zenóbia Pereira Lindoso. Era casado com Amine Daou Lindoso, com quem teve sete filhos. Faleceu em Brasília, no dia 25 de janeiro de 1993.

Em homenagem à data, será celebrada, nesta sexta-feira, dia 21, uma missa na Igreja Nossa Senhora de Nazaré, onde o ex-governador se casou com Amine, em dezembro de 1948. A família destaca o legado deixado para o Amazonas através de sua atividade política, educacional e jurídica.

“Temos muito orgulho do legado que ele deixou, pois meu pai era acima de tudo um humanista. Ele sempre se preocupou muito com o direito das pessoas, com o povo amazonense, com a valorização do homem do interior. Agora, relembrando, vemos como ele era à frende de seu tempo. E, como pai, deixou uma marca profunda e memórias maravilhosas na vida de cada um de seus filhos”, conta a filha mais nova, a procuradora do Estado Clara Maria Lindoso e Lima.

O advogado e escritor Pedro Lindoso, também filho do ex-governador, enfatiza que além de ter exercido diversas funções, sempre com muita dedicação e ética, Lindoso era o pilar da família. “Ele foi um homem de sucesso como político, como advogado, como professor da Universidade Federal do Amazonas mas, principalmente, ele foi um homem que que fez o seu dever de casa como pai”, afirma.

Advogado e professor, Lindoso foi secretário de Educação, além de delegado regional e diretor regional da administração conjunta do Serviço Social do Comércio (Sesc) e Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). Membro da Academia Amazonense de Letras, dedicou-se ainda ao jornalismo, atuando como redator de O Jornal, em Manaus, e diretor da Folha Acadêmica.

Lindoso iniciou a vida política em 1962, elegendo-se primeiro suplente de deputado federal na legenda da coligação formada pela União Democrática Nacional (UDN) e o Partido Social Democrático (PSD). Em 1966, se elegeu deputado federal e foi membro efetivo das comissões de Constituição e Justiça e de Serviço Público e suplente da Comissão de Valorização Econômica da Câmara dos Deputados.

Em 1970, se elegeu senador pelo Amazonas, tornando-se membro efetivo das comissões de Constituição e Justiça, de Redação e de Segurança Nacional e suplente das comissões de Relações Exteriores, do Distrito Federal e de Economia no Senado.  Deixou o Senado em janeiro de 1979 e assumiu em fevereiro o Governo amazonense.

Entre outros trabalhos, publicou “Do Estado — aspecto da socialização no direito constitucional brasileiro” (1947), “Valorização econômica da Amazônia” (estudo, 1947), “Preliminares sobre o estudo da economia política” (1952), “Elementos de economia política” (tese, 1953), “O Estado brasileiro e a evolução do direito civil” (estudo, 1960) e “Vinte anos de CLT” (1963).