“Autorizar abertura de igrejas e templos no pico da pandemia é um equívoco”, diz Serafim

Após a aprovação do projeto de lei nº 136/2020 na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), nesta quarta-feira, 06, que estabelece igrejas e templos como atividade essencial no Estado, o deputado Serafim Corrêa (PSB) chamou atenção para o risco iminente de aglomerações nesses estabelecimentos em meio ao pico da pandemia do novo Coronavírus e considerou a medida um “equívoco”.

“Estamos numa fase crucial, inclusive com ameaça de lockdown, que é o confinamento e fechamento de tudo. Numa hora dessas, que já submetida ao Poder Judiciário essa medida, autorizarmos a reabertura das igrejas e templos estamos indo na contramão da humanidade, da ciência e dos pesquisadores. Quero manifestar o meu respeito a todas as religiões, mas dizer que meu voto à medida é contrário”, esclareceu Serafim.

O líder do PSB na Casa Legislativa expôs dados do Portal da Transparência que indicam o crescimento de 1.579 mortes, em 2020, em comparação ao mesmo período de 2019, o que é alarmante.

“Em 2019, em Manaus, morreram 1.025 pessoas, de todas as doenças. E em 2020, morreram 2.604, esse número. Portanto, significa que morreram a mais, de um ano para o outro, 1.579 pessoas.  Esse número indica que, por dia, morreram 52 pessoas. Esse número é assustador. Então, relato esses números para dizer que estamos no pico de uma pandemia. É preciso que todos nós tenhamos consciência disso, e que as medidas sejam tomadas no rumo do confinamento isolamento. Fora disso, teremos o mês de maio muito pior do que já foi o mês de abril, que foi muito ruim”, concluiu.

Texto: Luana Dávila

Telas: Anderson Tahan