A verdade sempre vence. Tem dinheiro do Fundeb!

A verdade sempre vence. Tem dinheiro do Fundeb!

Nos idos de 2007, participei como prefeito de Manaus e vice-presidente da Frente Nacional dos Prefeitos das discussões sobre a criação do FUNDEB (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica) com o então Ministro Fernando Haddad. E participei ativamente das tratativas no Congresso para a sua aprovação. Marcelo Serafim era deputado federal e ajudou, ao lado de muitos deputados, na aprovação, sendo o seu voto favorável.

Tenho boa compreensão de como funciona esse que é o alicerce do ensino básico em nosso país e sua principal fonte de financiamento. Desde o ano passado, venho demonstrando que o governo do estado pode pagar melhores salários aos profissionais do magistério. Lancei a Cartilha do FUNDEB que possibilitou à sociedade entender que do dinheiro do FUNDEB, pelo menos 60% devem ser usados com a remuneração dos professores que estão em sala de aula.

Em janeiro/março deste ano mostrei que existiam recursos suficientes para dar 28% de reajuste aos professores. O governo do estado dizia que só podia dar 4%. Só que os professores tinham as informações, seguindo os passos da Cartilha do FUNDEB, e em defesa dos seus direitos foram a greve que durou 40 dias. Pra não dar o braço a torcer, o governo disse que concordava em 27% dividido em três parcelas: a primeira, em março; a segunda, em setembro, às vésperas das eleições; e a terceira, em janeiro de 2019. O acordo foi fechado.

Continuei acompanhando o FUNDEB e mostrando que o governo continuava gastando menos do que devia. O secretário Lourenço Braga distribuiu release para a imprensa dizendo que não tinha dinheiro.

 

Respondi desmontando a entrevista com as próprias telas por ele fornecida ao FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) e que comprovam que gastavam apenas 43,30% com professores em sala de aula e guardavam mais de 450 milhões de reais em caixa. Vejam as telas.

Agora, um mês antes das eleições, caem as máscaras e fica evidente qual era o plano: o Governo do Estado, conforme notícia que circula na internet, pede à Justiça Eleitoral autorização para pagar R$ 5.500,00 a cada professor por cadeira de 40 horas. Ou seja, guardou esse dinheiro para fazer média eleitoral às vésperas das eleições. Vejam:

“Aviso de pauta

Coletiva sobre o pagamento do Fundeb

O secretário de Educação do Amazonas, professor Lourenço Braga, falará hoje, às 17h, na abertura do desfile escolar, no Sambódromo, sobre a consulta feita ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sobre a possibilidade de pagar abono do Fundeb aos professores e pedagogos ainda neste mês.

O governo do estado pediu   autorização do Tribunal Regional Eleitoral para pagar abono aos professores e pedagogos da rede estadual, com recursos do FUNDEB.  Se o Tribunal autorizar, sem   descumprir a lei eleitoral, o abono será pago em setembro , quando também entra em vigor a parcela de aumento de 8.24% , já previsto em lei de março.  Se o TRE não autorizar, o abono será pago em outubro, logo após o período eleitoral.

Evento: coletiva sobre pagamento do Fundeb.

Data: nesta quarta-feira, dia 5 de setembro.

Local: sambódromo, na abertura do desfile escolar.

Horário: 17h”

E aqui a matéria já nos jornais online:

https://www.acritica.com/channels/manaus/news/governo-pede-autorizacao-ao-tre-para-pagar-abono-aos-professores-em-setembro

Isso só confirma: primeiro, que tem dinheiro que eles antes negavam existir; segundo, que poderiam ter dado um reajuste maior em março que incorporaria na aposentadoria dos professores e terceiro, os objetivos eleitorais de todo o esse jogo sujo contra a educação.

Texto: Serafim Corrêa