Tarsila do Amaral para presidente da República, prega Mario Rosa

Tarsila do Amaral para presidente da República, prega Mario Rosa

Brasil vive antropofagia institucional

Diante do impasse político generalizado, do vazio de nomes, da desconfiança geral sobre as alternativas do quadro sucessório, venho humildemente apresentar o que acredito ser a solução política mais coerente para o país nestes tempos. A artista Tarsila do Amaral notabilizou-se pelo movimento conhecido como Antropofágico.

Basicamente, devorar-se um ser humano. No caso da Antropofagia, discutia-se a deglutição dos valores culturais externos e sua digestão pela cultura brasileira, transformando o que vinha de fora em uma nova arte brasileira. Isso em contraposição a uma arte pretensamente autárquica, imune a influências estrangeiras.

Debates culturais à parte, o que a crise dos caminhoneiros deixa como reflexão é que nunca antes na história deste país a antropofagia esteve tão evidente e sua persistente repetição tão capaz de demonstrar resultados aflitivos. Assistimos nos últimos anos as instituições do Estado serem abaladas pelas revelações repugnantes benfazejamente trazidas a lume pela Operação Lava Jato. Daí em diante, porem, desencadeou-se um processo de antropofagia institucional.

A política, ao invés de ser apenas depurada, psssou a ser vilanizada. Setores do Judiciário e do Ministério Público passaram a encarnar uma guerra santa que, dia sim, dia não, produziu um saldo de desesperança e repugnância da sociedade em seus líderes. Na pratica, a governança do país trocou de mãos e saiu dos representantes do povo para as corporações e os aparatos policiais, judiciais e dos promotores.

Eis que ocorre essa desobediência civil de larga escala dos caminhoneiros. O que os novos governantes do Brasil puderam fazer para solucionar o impasse? Na ordem natural das coisas, o roteiro prevê que a nova governança brasileira está preparada para combater o inimigo público número 1 de sempre: os crápulas eleitos pelo voto popular. Mas e quando o problema é mais embaixo? Cadê a chibata feroz e cruel contra um movimento que, por mais justo que tenha sido na origem, é uma chantagem inaceitável contra uma população inteira e desprotegida?

É nisso que dá a antropofagia. Primeiro, a democracia começa a devorar a legitimidade da representação popular. Depois, diante da baderna, os jacobinos que ceifaram as cabeças da democracia são triturados pela choldra amtropofagicamente. Não se iludam, senhoras e senhores ministros do Supremo, senhoras e senhores juízes idealistas, senhoras e senhores promotores abnegados: sua independência só existe enquanto persistir o arejamento institucional chamado democracia.

Se o país descambar para a antropofagia de biografias pelo mero e simples impulso do punitivismo compulsivo, as primeiras cabeças serão as deles. Mas as seguintes serão as vossas. Qualquer dúvida, perguntem aos caminhoneiros. Os caminhões que atropelaram o Executivo na mesma manobra passaram por cima de todos os Poderes. Todos. Todos impotentes e acuados. Essa é a moral da história.

Por isso lanço a candidatura de Tarsila do Amaral. Porque ela foi uma das fundadoras do movimento Antropofágico. Mas sobretudo porque ela já morreu. E é bom termos um cadáver como nosso candidato para nos lembrarmos o que pode acontecer com instituições que defendem a antropofagia não como estética, mas como ética.

Mario Rosa (Poder 360)