Entenda o impasse para integrar Roraima ao Sistema Nacional de Energia

Entenda o impasse para integrar Roraima ao Sistema Nacional de Energia

Durante visita do presidente da República Michel Temer a Roraima, nesta 2ª feira (12.fev.2018), a governadora Suely Campos reiterou o pedido de conectar Roraima ao SIN (Sistema Interligado Nacional), sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil.

O Estado é único do país que não é interligado no sistema nacional e, por isso, é abastecido pela energia elétrica gerada na Venezuela desde 2001. A ligação entre Boa Vista e o complexo hidrelétrico de Guri, em Puerto Ordaz, é feita pelo Linhão de Guri.

A inclusão do Estado no sistema nacional é discutida há anos. Para solucionar a dependência enérgica da Venezuela, o governo pretende construir 1 linhão, chamado de Tucuruí, interligando Boa Vista à Manaus. O presidente Michel Temer afirmou, nesta 2ª feira (12.fev) reconhecer o impasse e disse que irá “debater muito esse assunto”.

“Nós já determinamos que haja todas as medidas judiciais, contrárias às medidas judiciais propostas, para resolver a passagem do linhão do Tucuruí”, disse.

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) licitou a obra em 2011. O consórcio TransNorte -formado pelas empresas Alupar e Eletronorte, investiu R$ 300 milhões no empreendimento, que deveria ter sido entregue em dezembro de 2015. Mas, as obras sequer começaram.

O linhão cruzará 125 quilômetros de território indígena e as empresas não têm autorização para entrar nas terras do povo Waimiri-Atroari. Em dezembro de 2015, o Ibama emitiu Licença Prévia para o empreendimento, mas o problema esbarrou na Licença de Instalação. É necessário que a Funai (Fundação Nacional do Índio) se manifeste sobre a passagem da obra pela região.

A dependência da energia da Venezuela coloca o Estado em risco de ficar no escuro. Principalmente diante da crise econômica enfrentada no país vizinho. A energia de Guri está sujeita a corte total, por falta de manutenção na rede ou pelo cenário político do país vizinho.

Demanda crescente por energia

De acordo com o governo de Roraima, a demanda atual de energia elétrica no Estado é de 189,1 MW. Cerca de 50% é suprida pela geração venezuelana. A Linha de Guri tem capacidade para 95 MW. A previsão do governo de Roraima é que a demanda por energia cresça 10% ao ano: 252 MW em 2018 e 277 MW em 2019.

Segundo o Balanço Energético Nacional da EPE (Empresa de Pesquisa Energética), a capacidade instalada de produção de energia no Estado é de 257 MW. Em 2016, a geração total atingiu 156 MW. Sendo 144 MW vindos de usinas termelétricas a óleo diesel. A opção, mais cara e poluente, está cada vez mais sendo utilizada devido a deterioração da linha de transmissão entre Brasil e Venezuela.

De acordo com o governo estadual, a produção desse tipo de energia custa R$ 720 milhões por ano. Mais de R$ 500 milhões são direcionados para a compra de diesel, combustível usado para operar as térmicas.

Roraima também conta com a energia produzida na Usina Hidrelétrica de Jatapú, que desde o começo deste ano, opera em capacidade total de 10 MW, em fase de teste. A energia, no entanto, só é suficiente para abastecer 3 municípios, de acordo com o governo estadual.

Desde 2016, a migração de venezuelanos aumentou de forma significativa no Estado. Segundo a Prefeitura de Boa Vista, há mais de 40 mil venezuelanos na capital, mais de 10% da população local.