Datafolha: Dilma sobe, Serra lidera

quadrodatasarafa

O jornal Folha de São Paulo publica hoje nova pesquisa do DATAFOLHA. Pela pesquisa a ministra Dilma, dependendo do cenário, cresce 3% a 4%. O governador de São Paulo, José Serra, lidera em qualquer cenário. Quando sai o seu nome e entra o governador de Minas, Aécio neves, Ciro Gomes assume a liderança.

No principal cenário para eleição de 2010, tucano tem 41%, e petista, 11%; Ciro, com 16%, oscilou 1 ponto, e Heloísa foi de 14% para 11%. Quando Aécio é o nome do PSDB, Ciro, que se mantém com 25%, lidera; o tucano, empatado com Heloísa, tem 17%, e Dilma vai a 12%

DA REPORTAGEM LOCAL

O governador paulista, José Serra (PSDB), mantém ampla liderança em todos os cenários em que aparece na mais recente pesquisa Datafolha sobre a sucessão presidencial de 2010, com taxas que variam de 41% a 47%, conforme o questionário. Mas a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), voltou a crescer, de 3 a 4 pontos percentuais, dependendo da situação.

No primeiro cenário do Datafolha são apontados como candidatos, além de Serra (41% das intenções de voto) e Dilma (11%), o deputado federal Ciro Gomes (PSB), que oscilou um ponto e teria hoje 16%, e a ex-senadora Heloísa Helena (PSOL), que perdeu três pontos e aparece com 11%.

Há um ano, nesse mesmo levantamento, Dilma tinha apenas 3% das intenções. Em novembro de 2008, ela subiu para 8% e agora atinge 11%. Serra tinha 38% em março de 2008 e ficou estável, com 41%, nos dois mais recentes levantamentos.

Hoje, Serra seria mais bem votado no Sudeste (45%) e no Sul (44%) e menos votado no Nordeste (34%). Já Dilma tem melhor desempenho no Nordeste (14%) e no Centro-Oeste (13%) e o pior no Sudeste (9%).

“Heloísa Helena é a única que perde pontos agora e Dilma é a única que sobe. O crescimento dela é contínuo desde março de 2008”, diz Mauro Paulino, diretor do Datafolha. “À medida que vai se tornando mais conhecida e associada como candidata do presidente a tendência é que cresça.”

Desde o começo do ano, Dilma intensificou viagens e agendas. Sua candidatura é defendida pela maior parte do PT. No PSDB, apesar da proposta de prévias, reportagem da Folha mostrou que a candidatura Serra também é a mais forte até o momento.

No cenário em que a campanha ficaria polarizada entre Serra e Dilma, com apenas Heloísa Helena como terceira candidata, o tucano permaneceu com 47%. Dilma subiu três pontos, chegando a 13%, enquanto Heloísa Helena oscilou de 17% para 15%. Elas estão empatadas tecnicamente.

Entre aqueles que podem concorrer em 2010, Serra é o mais lembrado de forma espontânea pelos eleitores, com 6%. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva é citado por 25%. Dilma e o governador mineiro, Aécio Neves (PSDB), são citados por 3%. Para 1% dos entrevistados, o voto irá “para quem o Lula apoiar/indicar”.

Aécio

Em dois cenários, o candidato tucano é o governador Aécio Neves (MG). Ele defende prévias para a escolha do candidato do PSDB e sugeriu viagens pelo país para discutir o assunto. No primeiro cenário com Aécio quem lidera é Ciro Gomes, que manteve os 25% apurados no último levantamento.

Heloísa Helena oscilou de 19% para 17% agora, empatando com o governador mineiro, que já tinha atingido esse percentual em novembro. Dilma se aproximou dos dois e atingiu 12% _contra 9% em novembro e 4% em março de 2008.

Outro cenário apresenta Heloísa Helena (26%), Aécio (22%) e Dilma (16%). Esse foi o caso em que a ministra apresentou sua maior subida, de quatro pontos, já que tinha 12% em novembro passado.

A última hipótese apresenta todos os candidatos, inclusive Serra e Aécio, o que não seria possível a menos que um deles mudasse de partido. O governador paulista lidera com 35%. Os outros estão tecnicamente empatados: Ciro (14%), Aécio e Heloísa (12%) e Dilma (11%).

A margem de erro máxima é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

3 comments

  1. Diante dessa pesquisa do Datafolha pode-se tirar algumas conclusões acerca do possível quadro eleitoral de 2010:
    1) A ministra Dilma Roussef, candidata de Lula, deve crescer consistentemente até outubro de 2010, carregada pela popularidade do governo (ameaçada pela crise atual), entretanto, sabe-se que a biografia e o talento comunicativo do presidente foi responsável por grande parte dos votos por ele conseguidos em 2002 e 2006;
    2) Quanto ao PSDB, deve decidir-se entre Aécio e Serra. Apesar de o paulista sair na frente nas pesquisas, o seu reconhecido mau-humor e sua dificuldade de compor alianças sem maiores traumas (apesar de ter realizado 3 jogadas estratégicas nos últimos meses: o apoio à reeleição de Kassab, a atração do PMDB de Quércia e a nomeação de Alckmin para sua secretaria) podem atrapalhá-lo a alcançar patamar maior de aceitação popular, tendo o risco também de atrair a ira dos mineiros. Por outro lado, Aécio, com o gene de seu avô Tancredo, tem grande facilidade de estabelecer acordos e com seu estilo conversador e desarmado, pode conquistar o carisma dos brasileiros, contando com um esperado apoio da mídia nacional, mais especificamente da Rede Globo, que buscará transformá-lo em um novo Juscelino, misturado com Tancredo;
    3) Heloísa Helena representa a esquerda radical, daqueles eleitores que gostam de dizer que não tem mais jeito para o Brasil, não obstante possuir grandes qualidades;
    4) Por fim, Ciro Gomes tem uma boa oportunidade de melhorar a sua imagem de brigão ou mal-educado que ficou de sua última campanha presidencial, a partir de deturpações em relação a algumas declarações por ele feitas em 2002. Entretanto, precisa se posicionar ideologicamente, diferenciando-se de PT e PSDB. Se defender uma postura mais ativa do Estado, deve estabelecer como faria diferente do atual governo (talvez levantando a bandeira da eficiência, por meio de uma gestão de resultados); se alinhar-se ao discurso de diminuição do Estado, precisa dizer qual a sua divergência com os tucanos (quem sabe propondo uma liderança do Estado no desenvolvimento regional, ou setorial, algo combatido pelo PSDB). Enfim, ele terá que adotar um discurso que deverá transitar entre os dois oponentes mais fortes. Outro fator que poderia viabilizar a sua chegada ao segundo turno em 2010 seria a exploração de uma imagem mais positiva de realizador, corajoso, obstinado, no entanto, não se confundindo com a que Collor passou em 1989;
    5) Em suma, a próxima eleição presidencial será marcada pela disputa entre estilos bem diferentes:
    – Dilma: a primeira mulher que poderá ser presidente, além de ser realizadora e obstinada;
    – Serra: realizador, eficiente, porém egocêntrico e mal-humorado;
    – Aécio: o jovem realizador, simpático e inovador;
    – Heloísa Helena: a sonhadora radical;
    – Ciro: o destemido, temperamental, arrogante. (caberá a ele transformar tal imagem)
    6) Penso que o candidato mais forte poderá ser Aécio Neves, o preferido da Rede Globo, por não apresentar características negativas a serem exploradas pelos adversários.
    7) Claro que esta análise leva em conta o atual cenário que poderá modificar-se em função de alguns aspectos:
    – evolução da crise econômica;
    – escolha do candidato tucano;
    – migração dos votos de Lula para Dilma;
    – estratégias de comunicação de longo prazo (a partir de agora) dos candidatos.

  2. TODOS NOS SABEMOS QUE O SERRA NAO E BOM PARA O ESTADO DO AMAZONAS,ELE NAO VE A NOSSA ZONAS FRANCA COM BONS OLHOS.

  3. Pelo menos o estado se verá forçado a procurar outras fontes econômicas e não ficar somente na ZF de MANAUS (e não do amazonas)

Comments are closed.