Cigás rescinde contrato com a LJA

O DIÁRIO DO AMAZONAS traz hoje matéria dando conta que a CIGÁS, empresa que tem como sócios o Governo do Amazonas e o empresário baiano Carlos Suarez, outrora o “S” da OAS, sendo que este último detém o controle acionário da empresa por ser proprietário da maioria das ações ordinárias com direito a voto, rescindiu amigavelmente o contrato que mantinha com a empresa baiana Construtora LJA, do empresário Latif Abud Jabour, para o assentamento da rede de tubos que distribuiria o gás para as usinas termoelétricas e já deixaria a base para a rede de distribuição domiciliar. O valor total do contrato era 82 milhões de reais.

As obras estavam paradas há alguns meses em decorrência da apreensão pela Receita Federal dos tubos importados pela LJA. O motivo da apreensão, por correr ao abrigo do sigilo fiscal, não é de conhecimento público, mas ao que consta foi a razão da rescisão do contrato.

Agora, duas coisas são certas: a primeira, o aumento do valor da obra por conta de uma nova licitação para concluí-la, e a segunda, o seu atraso.

Essa obra deveria ser inaugurada antes de abril de 2010 e serviria como marco da chegada do gás à Manaus, com redução dos custos de geração da energia termoelétrica. A partir daí, também, táxis e ônibus poderiam ter uma matriz energética mais barata e muito mais limpa.

Por conta disso, todos vamos esperar um pouco mais, com prejuízos para todos.
Que pena!

One comment

  1. Caro Sarafa,

    Tem um professor na Ufam que afirmou, categoricamente, e nos desafiou para aposta, em 2.005, que o gás não chegaria aqui em Manaus no governo Braga.

    Não apostei; mas achei duvidosa sua certeza.

    Será que ele está certo?

Comments are closed.