Arthur Neto: Aeroportos já!

Em artigo, o Senador Artur Virgilio revela o adiamento do anúncio pela FIFA da definição das cidades subsedes da Copa do Mundo em 2014. Revela preocupação com o Aeroporto de Manaus e cobra o INFRAERO.

Parece que adiaram a decisão sobre as cidades que sediariam a Copa de 2014. O anúncio, que estava marcado para 20 de março, teria ficado para maio.

O Senador João Pedro tomou a iniciativa de escrever carta para o Presidente da Fifa, Joseph Blatter, recolhendo também minha assinatura e a de Jefferson Praia. Recebemos resposta do Secretário-Geral, Jerome Valcke, dando claras indicações de que Manaus seria escolhida.

Nada mais sensível do que incluir Manaus, a metrópole mais amazônica de todas. Banhada apenas por rios, representa sofisticada civilização no coração da floresta. Esta, preservada em 98%, precisa ser mostrada ao mundo, para divulgarmos, em favor do clima global, a combinação entre o PIM com sua alta tecnologia e a proteção ambiental.

Quem defende a floresta é a Zona Franca, financiando a economia amazonense e reduzindo a pressão devastadora. O Brasil precisa aprender isso e o mundo necessita compreender porque há tanta devastação no entorno e praticamente nenhuma em nosso território.

A notícia de que teriam adiado o anúncio me deixou com a luz amarela acesa. E aí comecei a pensar nas vulnerabilidades de Manaus.

Só encontrei uma, logística: o Aeroporto Eduardo Gomes, defasado e incapaz de atender a demanda de um evento como a Copa. A Infraero precisa começar as obras de profunda transformação nesse instrumento, de modo a torná-lo coerente com a Manaus progressista de tantos shoppings, cinemas, restaurantes, hotéis… e beleza.
Tempo dá. Basta os trabalhos começarem ontem. E a meu ver, é imperioso construir outro aeroporto, que sirva de alternativa prática ao principal. Em Presidente Figueiredo, talvez.

Outras medidas fundamentais: melhorar a segurança; viabilizar o trânsito, através de intervenções no sistema viário e do monotrilho; revitalizar o centro histórico; oferecer cursos de inglês e espanhol a taxistas, garçons, comerciários.
Tudo isso ajudará. A reforma do Eduardo Gomes e a construção do campo alternativo, porém, são para anteontem.
Aeroportos Já.

2 comments

  1. Manaus como cidade subsede da Copa do Mundo em 2014 exigirá um esforço já mais visto entre os governos Federal, Estadual e Municipal em especial para criar toda a infra-estrutura necessária para receber milhares de turistas e visitantes de uma só vez, não haverá espaço para picuinhas, brigas internas ou partidárias principalmente entre os Governos não importa quem será o Governador do Amazonas ou o Prefeito de Manaus antes durante e após a realização dos jogos da copa do mundo em Manaus. Porém talvez o maior desafio seja o cultural, a população ainda não sabe receber bem o visitante principalmente o internacional, será necessário a criação de campanhas educativas, cursos de línguas estrangeiras e programas de treinamento para a população e para as empresas de prestação de serviço, infelizmente o atendimento em Manaus ainda é muito improvisado praticamente não há investimento na qualificação da mão de obra para atender bem o visitante em especial o turista internacional. Ainda bem que há tempo suficiente para resolver todas estas e outras questões que serão apresentadas durante o período que antecede ao evento.

  2. Manaus precisa de projetos que transcendam os governos. A política muitas vezes atrapalha bons projetos que foram criados em um governo e que DEVEM ser continuados no governo seguinte.
    Um exemplo deles é o metrô (de superfície ou não). Se for destinada uma verba fixa para este meio de transporte, independentemente de quem seja o governante, Manaus terá meios de transporte melhores, mesmo que demore 10 anos.
    Não importa quem vai inaugurar, e o nome do parente de qual político vai aparecer lá (o que eu considero totalmente errado, não deveriam dar nomes de pessoas às obras públicas!), o que importa é que o povo possa usufruir dos impostos que paga, e com qualidade!!!

Comments are closed.