Meia passagem na catraca

Estou acompanhando todas as medidas adotadas pelo atual prefeito de Manaus, Amazonino Mendes, para “organizar” o sistema de transporte coletivo.

Tenho alertado em meus artigos sobre os retrocessos que o prefeito tem implantando em nossa cidade. Um em especial me preocupa bastante: a compra antecipada das passagens pelos estudantes.

Após muita luta, os estudantes tiveram um antigo pleito atendido pelo então prefeito Serafim Corrêa: pagar a meia passagem diretamente na catraca, pois isso traria agilidade e economia acabando com as quilométricas filas do Sinetran. Lembram delas?

Pois bem, o prefeito em um jogo suspeito e combinado com os empresários, reduziu a meia passagem, aumentou a tarifa de ônibus, e acabou com o pagamento da meia em dinheiro criando o chamado “crédito antecipado”. Obrigando os estudantes a anteciparem o pagamento das suas passagens para financiar o sistema como um todo.

Discordamos frontalmente desta posição, a consideramos ilegal e feita ao arrepio da Constituição Federal que é clara quando diz: ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei.

Por isso, entramos hoje pela manhã como uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) para derrubar o decreto de Amazonino que manda os estudantes de volta para as filas.

Vamos lutar em todas as instâncias para derrubarmos essa medida que representa um atraso sem tamanho para os estudantes de nosso estado.

Amazonino ainda não entendeu o que é governar nos tempos modernos. Com um Ministério Público atuante, um judiciário comprometido e uma sociedade organizada que luta incansavelmente por seus direitos e conquistas. Continuaremos na trincheira de cá, com a responsabilidade que nos é peculiar, fazendo oposição ao prefeito e denunciando os seus desmandos, afinal, os justiceiros do passado estão com suas bocas amordaçadas e os olhos cegos pelas vendas do poder.

Até quinta!

O autor é deputado federal pelo PSB/AM e farmacêutico. Fone: 32382835 e email: [email protected]

Deixe uma resposta